Ex-ministros da Educação querem guerra ao insucesso

Reforço dos professores por turma, planos de ação definidos nas escolas, aposta nos primeiros anos e mobilização dos pais entre as propostas de quatro ex-governantes

Couto dos Santos, David Justino, Maria de Lurdes e Isabel Alçada. Quatro ex-ministros da Educação - os primeiros de governos do PSD e as segundas em maiorias do PS - com uma convicção em comum, no dia em que se assinala oficialmente o arranque de um novo ano letivo: o combate ao insucesso escolar, que continua a isolar Portugal entre os países desenvolvidos, tem de ser a prioridade absoluta.

"Continuamos com indicadores muito maus, dos piores da Europa", resume ao DN David Justino, ministro da Educação entre 2002 e 2004 e atual presidente do Conselho Nacional de Educação. "O sistema de ensino tem de orientar-se para recuperar e proporcionar oportunidades de sucesso a todos os alunos e não ter a dimensão seletiva que muitas vezes tem".

Como fazê-lo já é uma discussão em que os antigos titulares da pasta da Educação apresentam ideias diferentes, ainda que não necessariamente divergentes.

Para Maria de Lurdes Rodrigues, ministra entre 2005 e 2009, é preciso reunir "recursos e condições", o que "pode passar pelo reforço das equipas de docentes. Na minha opinião, deveria trabalhar-se mais na ideia de reforço de equipas de docentes do que na diminuição do número de alunos [por sala] e até da divisão das turmas", defende.

De resto, admite, em certas circunstâncias, "até o número de docentes por turma" pode ser repensado. "Como fizemos um pouco com a Matemática, reforçando as equipas onde havia maior dificuldade", lembra, referindo-se ao Plano de Ação para a Matemática.

A ex-ministra aplaude a decisão do atual governo de acabar com o encaminhamento de alunos do 3.º ciclo, com duas ou mais retenções, para cursos vocacionais e profissionalizantes, e aprova a promessa de que estes passarão a ser acompanhados por professores-tutores. "Não tem sentido encaminhar as pessoas para empresas ou outras instituições", sustenta. "Não há uma solução única, tem de ser um conjunto de medidas adequadas às circunstâncias. Pode ser a figura do tutor, o reforço das equipas, outros meios didáticos e pedagógicos que permitam diversificar as situações de ensino".

Isabel Alçada, que sucedeu a Maria de Lurdes Rodrigues na Avenida 5 de Outubro, concorda que "todos os anos é importante avançar na promoção do sucesso escolar". Mas acredita que o objetivo, a longo prazo, passa principalmente por prevenir o insucesso, para reduzir a necessidade de recuperar alunos com históricos negativos.

"A minha esperança é que haja uma intervenção preventiva e não de remediação. Avançou há pouco tempo um programa em que tenho esperança, o Programa de Promoção do Sucesso Educativo", lembra. "A intervenção deve começar o mais cedo possível, primeiro trabalhando ciclo, nos primeiros anos de escolaridade, e por outro lado deve-se tentar universalizar o mais cedo possível o pré-escolar, que é também muito importante".

Tendo sido comissária do Plano Nacional de Leitura, a professora não deixa de defender a importância de se "aprofundar esta competência". E não esquece "a formação de adultos", até para que estes "se possam envolver mais na educação dos seus filhos e netos".

Este último objetivo será sem dúvida importante para que possa ser concretizado o desejo de António Couto dos Santos, ministro entre 1993 e 1995, de ver mais mobilizados pais e professores.

"Acho que os pais têm de assumir de uma vez por todas a responsabilidade do acompanhamento dos filhos na escola. A família é um dos pilares fundamentais para que os alunos consigam ter sucesso na escola", defende, apelando também à "mobilização dos professores para que, no exercício da sua nobre função, façam prevalecer os interesses da aprendizagem dos alunos, mais do que os interesses corporativos".

Mas a primeira prioridade, para Couto dos Santos, deverá ser "a aposta na qualidade do sistema educativo, para dar resposta na redução do abandono e das baixas qualificações".

David Justino aplaude o facto de o atual governo ter identificado como "medida prioritária" o combate ao insucesso. Mas desconfia de fórmulas nacionais, defendendo que o papel do ministério deverá ser "proporcionar às escolas condições para que estas possam concretizar o objetivo", de acordo com as próprias estratégias. "As causas do insucesso não são iguais em todo o país. Em zonas rurais há umas e em zonas urbanas há outras. Devemos viabilizar os planos das escolas os quais, mais do que soluções inovadoras, devem ser soluções concretizáveis", explica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.