Estatuto da Agricultura Familiar aprovado. Abrange 100 mil agricultores

Com esta medida, os agricultores vão ter "acesso prioritário aos fundos comunitários", disse o ministro da Agricultura, Capoulas Santos

O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros o Estatuto da Pequena Agricultura Familiar, que deverá abranger cerca de 100 mil pessoas, 40% dos agricultores portugueses, de acordo com o ministro Capoulas Santos.

Os agricultores que sejam abrangidos por este estatuto terão "acesso prioritário aos fundos comunitários, um regime simplificado em matéria de licenciamento das unidades de produção ao nível da higiene e segurança alimentar"

"É uma medida da maior relevância através da qual esperamos atingir cerca de 40% do universo total dos agricultores portugueses, isto é, cerca de 100 mil agricultores", afirmou o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros.

Os agricultores que sejam abrangidos por este estatuto terão "acesso prioritário aos fundos comunitários, um regime simplificado em matéria de licenciamento das unidades de produção ao nível da higiene e segurança alimentar", bem como um "acesso privilegiado aos mercados de proximidade, a um regime específico de contratação pública de proximidade, para escolas, hospitais, Forças Armadas".

As medidas contemplam também um regime de reconhecimento mais fácil das associações de produtores, linhas de crédito adaptadas, medidas específicas de apoio às atividades nas explorações agrícolas, entre outras, que foram elencadas pelo ministro da Agricultura.

O diploma hoje aprovado define os critérios de "chefe de exploração agrícola familiar", disse Capoulas Santos.

A criação deste estatuto dá cumprimento a "medidas do programa de Governo para discriminar positivamente este segmento da agricultura"

"Terá de ser alguém que tenha mais de 18 anos, que tenha um rendimento inferior ao quarto escalão do IRS (entre 20 e 25 mil euros), não pode receber mais do que cinco mil euros anuais de ajudas da PAC, tem de ser detentor de uma exploração agrícola, seja enquanto proprietário, rendeiro, usuário, e é obrigatório que nesta exploração a mão-de-obra assalariada não seja superior à mão de obra familiar", revelou.

Capoulas Santos salientou que a criação deste estatuto é uma "velha reivindicação de muitas décadas dos agricultores portugueses" e dá cumprimento a "medidas do programa de Governo para discriminar positivamente este segmento da agricultura".

O regime prevê a constituição de um grupo acompanhamento, onde estão representantes dos vários ministérios que têm a ver com as medidas, as organizações de agricultores, a Associação Nacional de Municípios, e a Associação Nacional de Freguesias, que tem como objetivo acompanhar a implementação das medidas e proceder a uma avaliação anual, acrescentou Capoulas Santos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.