Esperanto: "Língua que protege as outras" vai ser debatida em Portugal

A 103.º edição do Congresso Universal de Esperanto realiza-se no nosso país entre 28 de julho e 4 de agosto

O Congresso Universal de Esperanto, que chega este ano à 103.º edição, vai ser realizado pela primeira vez em Portugal. A Reitoria da Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa vai acolher o evento, que se realiza entre o dia 28 de julho e 4 de agosto.

"Um sonho tornado realidade", segundo o advogado Miguel Faria Bastos, um dos promotores do encontro, que recorda a "luta" que foi trazer o congresso até ao nosso país. "Esta é a terceira vez que nos candidatamos a receber o encontro. Só agora conseguimos vencer a corrida. Vencemos a Finlândia e o Canadá", revela.

Sob o tema "Culturas, línguas, globalização: Que rumo doravante?", o organizador espera que estes dias de debate sirvam para fazer o esperanto - uma língua criada pelo oftalmologista, filólogo e poliglota polaco Ludwiik Zamenhof, em 1879 - ganhar adeptos em Portugal, país onde o uso da língua regrediu durante o Estado Novo. "Por ser uma língua muito fácil, o esperanto era usado muitas vezes na propaganda e Salazar não gostava", comenta.

O esperanto é "uma linguagem neutra, fácil, que não prejudica as outras. Antes pelo contrário, promove os outros idiomas. O esperanto protege as outras línguas

"A ideia do Congresso Universal é discutir a possibilidade de o mundo poder ter acesso a uma linguagem neutra, fácil, que não prejudique as outras. Antes pelo contrário, que promova os outros idiomas. O esperanto protege as outras línguas", garante.

2500 participantes são esperados

Para o evento são esperados "não menos" de 2500 participantes, uma vez que, segundo comunicado do encontro, o último evento realizado na Polónia foi assistido por quase 6000 pessoas.

Há uma Comissão de Honra composta por treze personalidades, entre as quais o antigo Presidente da República António Ramalho Eanes e o edil de Lisboa, Fernando Medina.

A única língua autorizada no Congresso é o Esperanto, não havendo portanto auriculares nem interpretação simultânea.
De entre as cerca de 6300 línguas étnicas faladas atualmente no planeta, o "português está entre as sete que mais parecenças têm com o esperanto no plano lexical, semântico, morfossintático e fonético".

De qualquer forma, Miguel Faria de Bastos recorda que, a par da Albânia, Portugal é o país que mais ignora o idioma. "Os políticos tem medo dela. Consideram-na uma utopia."

Recorde-se que a UNESCO aceitou como oficial o número de 10 milhões de falantes de esperanto em todo o mundo. "Mas há muitos autodidatas, portanto, é difícil contabilizar", ressalva o advogado.

A decisão de tornar Portugal o anfitrião do 103.º Congresso de Esperanto foi tomada na última reunião magna dos esperantistas de todo o mundo, realizada em julho de 2016, na cidade de Nitra, na Eslováquia. Nela participaram 1252 congressistas de 100 nacionalidades, entre os quais o advogado luso-angolano Miguel Faria de Bastos.

[notícia atualizada a 27 de julho, retirando a referência ao facto do ministro da Educação ser o "alto patrono do Congresso"]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...