Esperanto: "Língua que protege as outras" vai ser debatida em Portugal

A 103.º edição do Congresso Universal de Esperanto realiza-se no nosso país entre 28 de julho e 4 de agosto

O Congresso Universal de Esperanto, que chega este ano à 103.º edição, vai ser realizado pela primeira vez em Portugal. A Reitoria da Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa vai acolher o evento, que se realiza entre o dia 28 de julho e 4 de agosto.

"Um sonho tornado realidade", segundo o advogado Miguel Faria Bastos, um dos promotores do encontro, que recorda a "luta" que foi trazer o congresso até ao nosso país. "Esta é a terceira vez que nos candidatamos a receber o encontro. Só agora conseguimos vencer a corrida. Vencemos a Finlândia e o Canadá", revela.

Sob o tema "Culturas, línguas, globalização: Que rumo doravante?", o organizador espera que estes dias de debate sirvam para fazer o esperanto - uma língua criada pelo oftalmologista, filólogo e poliglota polaco Ludwiik Zamenhof, em 1879 - ganhar adeptos em Portugal, país onde o uso da língua regrediu durante o Estado Novo. "Por ser uma língua muito fácil, o esperanto era usado muitas vezes na propaganda e Salazar não gostava", comenta.

O esperanto é "uma linguagem neutra, fácil, que não prejudica as outras. Antes pelo contrário, promove os outros idiomas. O esperanto protege as outras línguas

"A ideia do Congresso Universal é discutir a possibilidade de o mundo poder ter acesso a uma linguagem neutra, fácil, que não prejudique as outras. Antes pelo contrário, que promova os outros idiomas. O esperanto protege as outras línguas", garante.

2500 participantes são esperados

Para o evento são esperados "não menos" de 2500 participantes, uma vez que, segundo comunicado do encontro, o último evento realizado na Polónia foi assistido por quase 6000 pessoas.

Há uma Comissão de Honra composta por treze personalidades, entre as quais o antigo Presidente da República António Ramalho Eanes e o edil de Lisboa, Fernando Medina.

A única língua autorizada no Congresso é o Esperanto, não havendo portanto auriculares nem interpretação simultânea.
De entre as cerca de 6300 línguas étnicas faladas atualmente no planeta, o "português está entre as sete que mais parecenças têm com o esperanto no plano lexical, semântico, morfossintático e fonético".

De qualquer forma, Miguel Faria de Bastos recorda que, a par da Albânia, Portugal é o país que mais ignora o idioma. "Os políticos tem medo dela. Consideram-na uma utopia."

Recorde-se que a UNESCO aceitou como oficial o número de 10 milhões de falantes de esperanto em todo o mundo. "Mas há muitos autodidatas, portanto, é difícil contabilizar", ressalva o advogado.

A decisão de tornar Portugal o anfitrião do 103.º Congresso de Esperanto foi tomada na última reunião magna dos esperantistas de todo o mundo, realizada em julho de 2016, na cidade de Nitra, na Eslováquia. Nela participaram 1252 congressistas de 100 nacionalidades, entre os quais o advogado luso-angolano Miguel Faria de Bastos.

[notícia atualizada a 27 de julho, retirando a referência ao facto do ministro da Educação ser o "alto patrono do Congresso"]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.