Esperanto: "Língua que protege as outras" vai ser debatida em Portugal

A 103.º edição do Congresso Universal de Esperanto realiza-se no nosso país entre 28 de julho e 4 de agosto

O Congresso Universal de Esperanto, que chega este ano à 103.º edição, vai ser realizado pela primeira vez em Portugal. A Reitoria da Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa vai acolher o evento, que se realiza entre o dia 28 de julho e 4 de agosto.

"Um sonho tornado realidade", segundo o advogado Miguel Faria Bastos, um dos promotores do encontro, que recorda a "luta" que foi trazer o congresso até ao nosso país. "Esta é a terceira vez que nos candidatamos a receber o encontro. Só agora conseguimos vencer a corrida. Vencemos a Finlândia e o Canadá", revela.

Sob o tema "Culturas, línguas, globalização: Que rumo doravante?", o organizador espera que estes dias de debate sirvam para fazer o esperanto - uma língua criada pelo oftalmologista, filólogo e poliglota polaco Ludwiik Zamenhof, em 1879 - ganhar adeptos em Portugal, país onde o uso da língua regrediu durante o Estado Novo. "Por ser uma língua muito fácil, o esperanto era usado muitas vezes na propaganda e Salazar não gostava", comenta.

O esperanto é "uma linguagem neutra, fácil, que não prejudica as outras. Antes pelo contrário, promove os outros idiomas. O esperanto protege as outras línguas

"A ideia do Congresso Universal é discutir a possibilidade de o mundo poder ter acesso a uma linguagem neutra, fácil, que não prejudique as outras. Antes pelo contrário, que promova os outros idiomas. O esperanto protege as outras línguas", garante.

2500 participantes são esperados

Para o evento são esperados "não menos" de 2500 participantes, uma vez que, segundo comunicado do encontro, o último evento realizado na Polónia foi assistido por quase 6000 pessoas.

Há uma Comissão de Honra composta por treze personalidades, entre as quais o antigo Presidente da República António Ramalho Eanes e o edil de Lisboa, Fernando Medina.

A única língua autorizada no Congresso é o Esperanto, não havendo portanto auriculares nem interpretação simultânea.
De entre as cerca de 6300 línguas étnicas faladas atualmente no planeta, o "português está entre as sete que mais parecenças têm com o esperanto no plano lexical, semântico, morfossintático e fonético".

De qualquer forma, Miguel Faria de Bastos recorda que, a par da Albânia, Portugal é o país que mais ignora o idioma. "Os políticos tem medo dela. Consideram-na uma utopia."

Recorde-se que a UNESCO aceitou como oficial o número de 10 milhões de falantes de esperanto em todo o mundo. "Mas há muitos autodidatas, portanto, é difícil contabilizar", ressalva o advogado.

A decisão de tornar Portugal o anfitrião do 103.º Congresso de Esperanto foi tomada na última reunião magna dos esperantistas de todo o mundo, realizada em julho de 2016, na cidade de Nitra, na Eslováquia. Nela participaram 1252 congressistas de 100 nacionalidades, entre os quais o advogado luso-angolano Miguel Faria de Bastos.

[notícia atualizada a 27 de julho, retirando a referência ao facto do ministro da Educação ser o "alto patrono do Congresso"]

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.