Energia: PS dá cambalhota e chumba taxa proposta pelo BE

Os socialistas tinham votado a favor da proposta sexta-feira mas esta tarde chumbaram-na, em aliança com o CDS

O plenário da Assembleia da República chumbou esta tarde, pela conjugação dos votos contra do PS e do CDS, a proposta do Bloco de Esquerda que criava nova contribuição a pagar pelas empresas do setor das energias renováveis.

Os votos favoráveis dos proponentes, a que se somaram os do PCP, PEV, PAN e do deputado socialista Ascenso Simões não foram suficientes para salvar a proposta, que, na sexta-feira, tinha sido aprovada em comissão, por via de um sentido de voto dos socialistas que fora precisamente o oposto do desta tarde, ou seja, a favor. O PSD absteve-se.

Antes da votação, esta questão já havia suscitado trocas de palavras entre deputados do PS (Luís Testa) e do BE (Jorge Costa). A proposta subiu a plenário por iniciativa do PS - e com isso os socialistas começaram a sinalizar que iriam inverter o seu sentido de voto. Testa explicou o sentido de voto do PS contra a proposta dizendo que chegou "a hora de investir nas renováveis". Contudo não explicou a inversão do voto do seu partido de sexta-feira (a favor) para hoje (contra).

Faltam nervos ao Governo para enfrentar as empresas produtoras de energia e faltaram nervos de aço ao senhor deputado para responder porque mudaram a vossa posição

"Faltam nervos ao Governo para enfrentar as empresas produtoras de energia e faltaram nervos de aço ao senhor deputado para responder porque mudaram a vossa posição", contra-atacou Jorge Costa, do BE. "Não mudou nada desde sexta-feira. É com pena que assistimos a esta cambalhota do PS", disse ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.