Energia: PS dá cambalhota e chumba taxa proposta pelo BE

Os socialistas tinham votado a favor da proposta sexta-feira mas esta tarde chumbaram-na, em aliança com o CDS

O plenário da Assembleia da República chumbou esta tarde, pela conjugação dos votos contra do PS e do CDS, a proposta do Bloco de Esquerda que criava nova contribuição a pagar pelas empresas do setor das energias renováveis.

Os votos favoráveis dos proponentes, a que se somaram os do PCP, PEV, PAN e do deputado socialista Ascenso Simões não foram suficientes para salvar a proposta, que, na sexta-feira, tinha sido aprovada em comissão, por via de um sentido de voto dos socialistas que fora precisamente o oposto do desta tarde, ou seja, a favor. O PSD absteve-se.

Antes da votação, esta questão já havia suscitado trocas de palavras entre deputados do PS (Luís Testa) e do BE (Jorge Costa). A proposta subiu a plenário por iniciativa do PS - e com isso os socialistas começaram a sinalizar que iriam inverter o seu sentido de voto. Testa explicou o sentido de voto do PS contra a proposta dizendo que chegou "a hora de investir nas renováveis". Contudo não explicou a inversão do voto do seu partido de sexta-feira (a favor) para hoje (contra).

Faltam nervos ao Governo para enfrentar as empresas produtoras de energia e faltaram nervos de aço ao senhor deputado para responder porque mudaram a vossa posição

"Faltam nervos ao Governo para enfrentar as empresas produtoras de energia e faltaram nervos de aço ao senhor deputado para responder porque mudaram a vossa posição", contra-atacou Jorge Costa, do BE. "Não mudou nada desde sexta-feira. É com pena que assistimos a esta cambalhota do PS", disse ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.