Empresas "filhas" de parcerias já valem centenas de milhões de euros

Cooperação com grandes instituições estrangeiras como o MIT gerou empresas que valem mais do que muitas cotadas no PSI 20

A Veniam - uma empresa de software fundada em Portugal, que desenvolve tecnologias para a comunicação em rede entre veículos - já está a trabalhar com grandes construtores para que os novos automóveis, completamente autónomos, "saiam de fábrica" com o seu software. A informação foi confirmada ao DN por João Barros, professor universitário e CEO desta empresa, avaliada em cerca de 118 milhões de euros e um dos vários exemplos de sucesso de uma década de parcerias entre universidades portuguesas e grandes instituições estrangeiras.

E a Veniam nem é a mais valiosa das largas dezenas das empresas nacionais nascidas destas parcerias, que envolvem gigantes da área das tecnologias, como o Massachussets Institute of Technology (MIT), a Universidade de Carnegie Melon (CMU), a Universidade do Texas Austin e a Associação Fraunhofer, da Alemanha, que se juntou mais tarde a este lote. Esse título pertence à Feedzai, considerada a primeira start-up gerada pelo programa CMU. Esta empresa desenvolveu, recorrendo à inteligência artificial, recursos que permitem às instituições financeiras combater fraudes nos pagamentos. E já está avaliada num valor que a coloca acima de quatro cotadas do PSI 20 e em igualdade com os CTT: cerca de 508,5 milhões de euros.

Calcular o valor conjunto das centenas de start ups nascidas destas parcerias - só a iniciativa Building Global Inovators, com o MIT, envolveu mais de 120 -, para além do capital acrescentado a diversas empresas portuguesas já existentes que aderiram aos protocolos, é um exercício que nenhum dos envolvidos nestas parcerias quis arriscar fazer. No entanto, há dados que demonstram que têm sido consideráveis os ganhos para a economia desta iniciativa, cuja segunda fase, até 2030, foi lançada há dias pelo governo.

O ministro do Ensino Superior está, aliás, nos Estados Unidos desde o fim de semana, para uma visita destinada a promover o alargamento da parceria internacional entre o governo português e o Massachusetts Institute of Technology, no arranque da nova fase do Programa MIT-Portugal . O novo ciclo de parcerias internacionais, que se irá prolongar até 2030 - o GoPortugal - Global Science and technology Partnerships Portugal- , envolve 64 milhões de euros de investimento.

João Barros, um dos fundadores da Veniam, não quis adiantar o nome das marcas que irão equipar os seus veículos com a tecnologia da sua empresa, explicando que existem "acordos de confidencialidade" que impedem a divulgação dessas informações. No entanto, garantiu que "ao longo do ano seguramente irão haver notícias sobre isso", acrescentando que a entrada no mercado destes automóveis "ainda deverá demorar alguns anos", porque a tecnologia "tem de ser integrada na arquitetura" dos novos veículos.

"A grande oportunidade da Veniam é tornar-se na arquitetura de referência dos veículos autónomos, que vão ter de comunicar entre eles para trocar dados, comunicar mapas, detetar-se uns aos outros , à medida que vão trocando passageiros de uma parte para a outra", disse João Barros, para quem conduzir automóveis, pelo menos "por obrigação" será em breve uma coisa do passado (ver entrevista ao lado).

Integrada na área emergente da chamada Internet das Coisas (IoT), a Veniam foi fundada por dois professores universitários portugueses - João Barros (Universidade do Porto) e Susana Sargento (Universidade de Aveiro) - e pelo casal Robin Chase e Roy Russel, que ajudou a criar a multinacional de partilha de automóveis Zipcar, hoje detida pela Avis.

Com mais de cem patentes registadas, a empresa portuguesa, nascida da colaboração entre a CMUe a Fundação para a Ciência e a Tecnologia , no âmbito das parcerias internacionais lançadas em 2007 pelo então ministro Mariano Gago, foi considerada no ano passado a 34.ª empresa mais inovadora do mundo, à frente de marcas como a Spotify e a Dropbox.

Cada euro investido rendeu 40

De acordo com um relatório de 2016 da UTEN Portugal (University Technology Enterprise Network), uma entidade criada em conjunto com a Universidade de Austin para promover a comercialização da ciência e tecnologia gerada no país, cada euro investido pela FCT nestas parcerias e noutros projetos ligados à aposta nas novas tecnologias teve um retorno de 40 euros.

Nos primeiros cinco anos das parcerias, as universidades registaram um aumento de 20% nas patentes concedidas, de 137% nas receitas por licenciamentos e e 132% nos novos spinoffs académicos (empresas criadas a partir de projetos académicos). Já as empresas tecnológicas registaram um crescimento anual de 127% nas receitas e de 38% nas contratações.

A isto somam-se os mais de mil professores, investigadores e empresários envolvidos nos programas, além dos 1500 estudantes que fizeram os seus mestrados e doutoramentos através das parcerias entre 2007 e 2017.

Para Nuno Nunes, um dos diretores do programa CMU Portugal, o país tem hoje "uma nova geração de pessoas que criam empresas, não por necessidade mas por oportunidade. Notam uma lacuna e criam empresas que competem desde a sua fundação no mercado global", defende. "É uma grande diferença em relação ao que era o statu quo".

Em que área nascerá a próxima grande empresa, explica o também presidente do Instituto de Tecnologias Interativas da Madeira, "não é possível dizer. Ninguém era capaz de o prever há dez anos e ninguém o fará agora", assegura. No entanto, acrescenta, também já ninguém duvida de que os casos de sucesso vão continuar a multiplicar-se: "O que sabemos é que se juntarmos talento, as probabilidades são fortes".

Lilina Ferreira, diretora da Fraunhofer Portugal AICOS, também vê no melhor aproveitamento do talento nacional e da qualidade das nossas instituições de ensino uma fórmula de sucesso para o futuro: "Temos acesso a recursos qualificados que nem sempre estão disponíveis noutros países europeus", diz. "Na área da inteligência artificial, na computação informática, temos recursos e alunos a sair das universidades que conseguimos atrair para os nossos projetos"; conta. "Num país como a Alemanha, por exemplo, têm dificuldade em fazê-lo, porque a mão de obra é escassa nestas áreas".

O centro de pesquisa aberto há dez anos, no Porto, no âmbito da parceria entre a FCT e a Associação Fraunhofer - na altura foi a primeira unidade fora da Alemanha- segue a linha orientadora da casa-mãe, com uma forte ligação da pesquisa às necessidades das empresas e das populações. E Liliana Ferreira nota também uma "clara diferença" na relação com as empresas. Se no passado era necessário "ir ter com a indústria, para lhe apresentar os nossos serviços", hoje acontece o contrário. No lançamento da segunda fase do programa em Portugal, que incluirá a abertura de um novo centro dedicado à agricultura e parcerias com as universidades de Évora e de Trás-os-Montes e Alto Douro, "tivemos as instalações completamente cheias, muito interesse nesta área, muitas ideias e muitas oportunidades".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.