Empresa ganhou num ano 17 milhões com jogo em cafés

Lisboa, Santarém, Évora e Algarve eram as regiões onde a organização atuava. Negócio legal escondia a fuga ao fisco

Reuniões periódicas com os distribuidores, discussão de estratégias para cativar clientes - como gerir os contactos, que produtos novos podiam oferecer-lhes - e um proveito anual de 17 milhões de euros.

Esta podia ser considerada uma empresa de sucesso onde todos os colaboradores tinham funções distribuídas. O problema é que o seu principal negócio era a exploração de apostas e jogos ilegais baseada numa rede de distribuidores que trabalhavam em estabelecimentos de Lisboa, Santarém, Évora e Algarve, recolhendo o dinheiro que os donos desses, maioritariamente, cafés conseguiam com a venda de jogo ilegal - fosse em máquinas instaladas na casa ou com a disponibilização de registos para o cliente jogar online num site idêntico aos dos apostas legais. Além disso, a firma não pagou nenhum imposto sobre os rendimentos conseguidos.

A Unidade de Ação Fiscal da Guarda Nacional Republicana recolheu informações após algumas denúncias e descobriu que paralelamente a uma empresa legal de distribuição de jogos de matraquilhos e de setas funcionava uma sociedade de exploração de jogos de forma ilegal e que pagava prémios melhores do que os sites legais. Segundo contou ao DN fonte da investigação, o líder da empresa - que até disponibilizava apoio jurídico para os donos dos cafés que eram descobertos e constituídos arguidos - tinha todo o material informático distribuído ligado a um servidor e, assim, conseguia saber diariamente quanto dinheiro cada uma das suas centenas de máquinas colocadas em vários pontos conseguia. Quando foi descoberto disse, segundo o investigador, que a sua maior concorrência era "a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?