EMEL bloqueia "Cristas"

Uma carrinha de propaganda da candidata do CDS à Câmara de Lisboa foi bloqueada esta quarta-feira, pelas 12:00, na zona de Santos.

O caricato da situação é que a mensagem de campanha inscrita na carrinha faz apelo precisamente à necessidade de mais estacionamento na cidade.

Ontem, a candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa defendeu um "estatuto de benefício" no estacionamento para moradores embrulhado num panfleto semelhante a multas da EMEL.

"Vai ser uma surpresa", dizia Assunção Cristas, enquanto colocava panfletos com as suas propostas para a EMEL, de formato e desenho semelhantes às multas colocadas pela empresa municipal de estacionamento de Lisboa nos para-brisas dos carros.

De colete refletor da coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM), Assunção Cristas percorreu ruas das Avenidas Novas acompanhada pela candidata àquela junta, a ex-jornalista Raquel Abecassis.

"O programa Lisboa Parque é um estatuto de benefício para os moradores, porque achamos que os moradores têm sido perseguidos pela EMEL e, naturalmente, não são os moradores das classes mais altas, que esses têm estacionamento, não é para casas de 500 mil euros, 600 mil euros, um milhão", defendeu Assunção Cristas.

Cerca de uma hora depois do ponto de encontro na pastelaria Versalhes, já na Visconde de Valmor, a candidata e líder do CDS-PP justificou a escolha do local para a ação "Vamos desbloquear Lisboa" com a particular penalização aos moradores das Avenidas Novas pela ação da EMEL.

(Corrigida às 15:45: local onde a carrinha estava estacionada)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.