"Em breve outro ciclo se iniciará": Santana despede-se da Santa Casa

Mensagem de despedida foi enviada aos funcionários da Santa Casa. "Sou candidato à liderança do PSD", afirmou na SIC

"Avizinham-se mudanças na Administração da SCML" e "em breve um outro ciclo se iniciará". É com estas palavras que Pedro Santana Lopes se despede dos funcionários da Santa Casa, que dirige há seis anos.

Na mensagem enviada há minutos, e a que o DN teve acesso, em que afirma que "em breve um outro ciclo se iniciará", o provedor aproveita ainda para descansar os colaboradores, sublinhando que as mudanças não colocarão em causa "a regular gestão e estabilidade do funcionamento" da instituição.

E acrescenta que, até a mudança acontecer, continua "a contar com o empenho e dedicação" de todos.

Ficam assim desfeitas as últimas dúvidas sobre o avanço do antigo primeiro-ministro e antigo presidente da câmara de Lisboa para a liderança do PSD, que ontem já era dada como certa nos bastidores do partido.

Também já esta noite, em declarações à SIC confirmou de viva voz a candidatura. "Sou candidato à liderança do PSD". A apresentação da candidatura será feita nos próximos dias, assegurou.

"Hoje é um dia de boas noticias, Portugal ganhou e eu sou candidato à liderança do PPD/PSD", afirmou.

Santana deverá então enfrentar Rui Rio na corrida à liderança do PSD, com a candidatura do ex-presidente da câmara do Porto a ser formalizada amanhã, em Aveiro, conforme anunciou ontem.

Já hoje, numa declaração enviada à SIC e lida no Primeiro Jornal, o provedor da Santa Casa afirmara que já tinha tomado uma decisão mas queria cumprir todos os passos antes de anunciá-la. "Quando tiver cumprido os meus deveres institucionais, com o governo e com o meu partido, farei a confirmação do sentido da minha decisão. Não pedi licença a ninguém para tomar a decisão que está tomada. Não estou condicionado por mais nada, nem por ninguém."

Ainda ontem, noticiava-se que Pedro Santana Lopes já falara com António Costa e Vieira da Silva, que o reconduziram na Santa Casa no ano passado, assim como com Marcelo Rebelo de Sousa, com quem almoçou ontem em Belém.

Ontem à noite, reunido em Conselho Nacional, o PSD confirmou as datas dos próximos passos para a sucessão a Pedro Passos Coelho, a que também Rui Rio será candidato. As eleições diretas para escolher o presidente acontecem a 13 de janeiro e segue-se o Congresso, a 16, 17 e 18 de fevereiro.

Passos já disse que, assim que esteja definido o seu sucessor, vai deixar o lugar que ocupa no Parlamento.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".