Elétrico 24 vai ligar Cais do Sodré e Campolide

Plano da Carris para 2018 prevê o alargamento da rede de elétricos na cidade. 24 regressa e o 15 vai ter percurso alargado

A Carris estima que a carreira de elétrico 24 regresse às ruas de Lisboa durante o próximo ano, voltando a ligar o Cais do Sodré a Campolide, aponta o Plano de Atividades e Orçamento da empresa para 2018.

Está previsto para 2018 o alargamento da rede de elétricos, nomeadamente o alargamento da linha de elétrico 15 da Praça do Comércio à Estação Ferroviária de Santa Apolónia, e a implementação da linha 24 com ligação do Cais do Sodré a Campolide, segundo documento ao qual a Lusa teve acesso. Durante o próximo ano, será também "iniciado o estudo da expansão da linha 15 ao Parque das Nações, e da ligação do Eixo Central da Alta de Lisboa a Entrecampos", aponta o texto. Atualmente, o elétrico 15 liga a Praça da Figueira a Belém.

Este documento e as orientações estratégicas da Carris serão apreciados hoje pela Câmara Municipal de Lisboa, em reunião privada do executivo de maioria socialista. Em 2018, a rodoviária, que é gerida pelo município desde fevereiro, prevê "reforçar o número de faixas bus e a fiscalização em parceira com a Polícia Municipal, visando mitigar os efeitos resultantes da ocupação indevida das vias, nomeadamente por estacionamento indevido", que tem efeitos no cumprimento dos horários previstos.

Neste sentido, para o próximo ano está também estimada a "implementação de um sistema de corredores bus de elevado desempenho na Estrada de Benfica e no Arco Ribeirinho". Relativamente a melhorias tecnológicas, será disponibilizada, "durante o ano de 2018, uma rede wi-fi gratuita", que será disponibilizada aos clientes "de forma progressiva, mas com o objetivo de cobrir toda a sua frota de autocarros e elétricos", acrescenta o Plano de Atividades e Orçamento, que indica que o concurso para fornecimento deste sistema foi lançado "no quarto trimestre de 2017".

Para 2018 está previsto um investimento total de mais de 57 milhões de euros, destinando-se a maior fatia (43,9 milhões) à renovação da frota de autocarros. No plano, a Carris destaca também investimentos relativos "a grandes reparações de material circulante, modernização dos sistemas de bilhética e a construção de um posto de abastecimento de gás natural".

No que toca à oferta, a empresa espera um "aumento mínimo de 7,5%", valor associado à "entrada em funcionamento de novos autocarros ao longo do segundo semestre de 2018 e em 2019". Já quanto à procura, "prevê-se um crescimento de cinco milhões de passageiros transportados (mais 4,1%) em relação a este ano".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.