Elétrico 24 deverá ligar Cais do Sodré e Campolide no próximo ano

Carris vai estudar também expansão da linha 15 ao Parque das Nações e da ligação do Eixo Central da Alta de Lisboa a Entrecampos

A Carris estima que a carreira de elétrico 24 regresse às ruas de Lisboa durante o próximo ano, voltando a ligar o Cais do Sodré a Campolide, aponta o Plano de Atividades e Orçamento da empresa para 2018.

De acordo com o documento, ao qual a agência Lusa teve acesso, encontra-se previsto para 2018 o alargamento da rede de elétricos, nomeadamente o alargamento da linha de elétrico 15 da Praça do Comércio à estação ferroviária de Santa Apolónia, e a implementação da linha 24 com ligação do Cais do Sodré a Campolide".

Durante o próximo ano será também "iniciado o estudo da expansão da linha 15 ao Parque das Nações, e da ligação do Eixo Central da Alta de Lisboa a Entrecampos", aponta o texto. Atualmente, o elétrico 15 liga a Praça da Figueira a Belém.

Este documento e as orientações estratégicas da Carris serão apreciados na quinta-feira pela Câmara Municipal de Lisboa, em reunião privada do executivo de maioria socialista.

Em 2018, a rodoviária, que é gerida pelo município desde fevereiro, prevê "reforçar o número de faixas BUS e a fiscalização em parceira com a Polícia Municipal, visando mitigar os efeitos resultantes da ocupação indevida das vias, nomeadamente por estacionamento indevido", que tem efeitos no cumprimento dos horários previstos.

Neste sentido, para o próximo ano está também estimada a "implementação de um sistema de corredores BUS de elevado desempenho na Estrada de Benfica e no Arco Ribeirinho".

Relativamente a melhorias tecnológicas, será disponibilizada, "durante o ano de 2018, uma rede 'wi-fi' gratuita", que será disponibilizada aos clientes "de forma progressiva, mas com o objetivo de cobrir toda a sua frota de autocarros e elétricos", acrescenta o Plano de Atividades e Orçamento, que indica que o concurso para fornecimento deste sistema foi lançado "no quarto trimestre de 2017".

Para 2018 está previsto um investimento total de mais de 57 milhões de euros, sendo que a maior fatia (43,9 milhões) se destinam à renovação da frota de autocarros.

No plano, a Carris destaca também investimentos relativos "a grandes reparações de material circulante, modernização dos sistemas de bilhética e a construção de um posto de abastecimento de gás natural".

No que toca à oferta, a empresa espera um "aumento mínimo de 7,5%", valor associado à "entrada em funcionamento de novos autocarros ao longo do segundo semestre de 2018 e em 2019".

Já quanto à procura, "prevê-se um crescimento de cinco milhões de passageiros transportados (mais 4,1%) em relação a este ano".

Outro "elemento central" em 2018 será a "admissão de 220 novos tripulantes, 10 colaboradores para a área da manutenção de elétricos e 20 quadros técnicos para as áreas corporativas".

Em matéria de política salarial, no próximo ano "terá lugar o pagamento aos trabalhadores da empresa de 14 meses de remuneração sem redução remuneratória".

O Plano de Atividades e Orçamento da Carris, que será apreciado pelos vereadores, aponta ainda que "as projeções económico-financeiras para 2018 apontam para um resultado positivo, de cerca de 16,278 milhões de euros".

Atualmente, a Carris conta com 75 carreiras de autocarro, sendo que quatro são carreiras de bairro, cinco carreiras de elétrico, três ascensores e um elevador, sendo que "assegura ainda um serviço diário de transporte de passageiros de mobilidade reduzida e serviços ocasionais de apoio a eventos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.