Elétrico 24 deverá ligar Cais do Sodré e Campolide no próximo ano

Carris vai estudar também expansão da linha 15 ao Parque das Nações e da ligação do Eixo Central da Alta de Lisboa a Entrecampos

A Carris estima que a carreira de elétrico 24 regresse às ruas de Lisboa durante o próximo ano, voltando a ligar o Cais do Sodré a Campolide, aponta o Plano de Atividades e Orçamento da empresa para 2018.

De acordo com o documento, ao qual a agência Lusa teve acesso, encontra-se previsto para 2018 o alargamento da rede de elétricos, nomeadamente o alargamento da linha de elétrico 15 da Praça do Comércio à estação ferroviária de Santa Apolónia, e a implementação da linha 24 com ligação do Cais do Sodré a Campolide".

Durante o próximo ano será também "iniciado o estudo da expansão da linha 15 ao Parque das Nações, e da ligação do Eixo Central da Alta de Lisboa a Entrecampos", aponta o texto. Atualmente, o elétrico 15 liga a Praça da Figueira a Belém.

Este documento e as orientações estratégicas da Carris serão apreciados na quinta-feira pela Câmara Municipal de Lisboa, em reunião privada do executivo de maioria socialista.

Em 2018, a rodoviária, que é gerida pelo município desde fevereiro, prevê "reforçar o número de faixas BUS e a fiscalização em parceira com a Polícia Municipal, visando mitigar os efeitos resultantes da ocupação indevida das vias, nomeadamente por estacionamento indevido", que tem efeitos no cumprimento dos horários previstos.

Neste sentido, para o próximo ano está também estimada a "implementação de um sistema de corredores BUS de elevado desempenho na Estrada de Benfica e no Arco Ribeirinho".

Relativamente a melhorias tecnológicas, será disponibilizada, "durante o ano de 2018, uma rede 'wi-fi' gratuita", que será disponibilizada aos clientes "de forma progressiva, mas com o objetivo de cobrir toda a sua frota de autocarros e elétricos", acrescenta o Plano de Atividades e Orçamento, que indica que o concurso para fornecimento deste sistema foi lançado "no quarto trimestre de 2017".

Para 2018 está previsto um investimento total de mais de 57 milhões de euros, sendo que a maior fatia (43,9 milhões) se destinam à renovação da frota de autocarros.

No plano, a Carris destaca também investimentos relativos "a grandes reparações de material circulante, modernização dos sistemas de bilhética e a construção de um posto de abastecimento de gás natural".

No que toca à oferta, a empresa espera um "aumento mínimo de 7,5%", valor associado à "entrada em funcionamento de novos autocarros ao longo do segundo semestre de 2018 e em 2019".

Já quanto à procura, "prevê-se um crescimento de cinco milhões de passageiros transportados (mais 4,1%) em relação a este ano".

Outro "elemento central" em 2018 será a "admissão de 220 novos tripulantes, 10 colaboradores para a área da manutenção de elétricos e 20 quadros técnicos para as áreas corporativas".

Em matéria de política salarial, no próximo ano "terá lugar o pagamento aos trabalhadores da empresa de 14 meses de remuneração sem redução remuneratória".

O Plano de Atividades e Orçamento da Carris, que será apreciado pelos vereadores, aponta ainda que "as projeções económico-financeiras para 2018 apontam para um resultado positivo, de cerca de 16,278 milhões de euros".

Atualmente, a Carris conta com 75 carreiras de autocarro, sendo que quatro são carreiras de bairro, cinco carreiras de elétrico, três ascensores e um elevador, sendo que "assegura ainda um serviço diário de transporte de passageiros de mobilidade reduzida e serviços ocasionais de apoio a eventos".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.