Diretor de Formação pede passagem à reserva

Major-general Ulisses de Oliveira comunicou decisão de deixar o Exército nos próximos dias.

O diretor de Formação do Exército, major-general de Artilharia Ulisses de Oliveira, decidiu deixar o ramo e passar à reserva, soube o DN esta terça-feira.

A decisão do major-general é explicada com o facto de ter sido ultrapassado nas promoções ao posto de tenente-general, que se aguardam para breve e cuja lista de três nomes já foi elaborada pelo comandante do ramo, general Rovisco Duarte.

Ulisses da Costa era o segundo dos majores-generais na lista de antiguidades do Exército, só atrás de um oficial de duas estrelas, Tiago Vasconcelos, cuja promoção está dependente de um parecer jurídico.

Ulisses de Oliveira era visto como um dos majores-generais a promover a três estrelas e para ocupar um dos três cargos vagos nesse posto: comandante operacional (a nomear pelo ministro da Defesa), do Pessoal e da Logística.

Para a Logística é dado como escolhido o major-general Cóias Ferreira, também de Artilharia, que é o oitavo na lista de antiguidades e colocado no gabinete desse comandante a partir de quinta-feira.

A confirmar-se esta escolha, Cóias Ferreira ultrapassa pelo menos três dos majores-generais à sua frente - número que pode ir até seis se os restantes dois lugares de três estrelas forem ocupados por oficiais mais modernos do que ele.

As escolhas feitas pelo general Rovisco Duarte ocorrem no meio de forte agitação interna e que se prolonga há mais de um ano, tendo começado com a demissão do general Carlos Jerónimo do cargo de chefe do Estado-Maior do Exército (CEME).

Seguiu-se a escolha do general Rovisco Duarte como sucessor, a morte de dois recrutas no curso de Comandos, o furto de material de guerra nos paióis de Tancos descoberto no final de junho e a forma como o CEME geriu o caso.

A decisão de Rovisco Duarte em exonerar os comandantes das cinco unidades responsáveis pela segurança dos paióis levou à demissão de dois dos três generais da estrutura de comandos do Exército: Faria Menezes, do cargo de comandante das Forças Terrestres, e José Antunes Calçada, comandante do Pessoal - ambos do mesmo curso do CEME.

Sem haver promoções, os cargos foram exercidos interinamente e em acumulação por outros responsáveis do Exército.

A passagem à reserva por limite de idade do anterior vice-CEME, tenente-general Rodrigues da Costa, levou à nomeação do único tenente-general em funções e que comandava a Logística, Fernando Serafino.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.