Depois da Web Summit, a Maçonaria Summit

Sede do Grande Oriente Lusitano vai acolher no dia 18 reunião europeia de obediências maçónicas. Como é da tradição, à porta fechada

Lisboa parece ter passado a constar com lugar garantido no mapa de grandes organizações internacionais. A Web Summit terminou quinta-feira e entretanto já se prepara outra cimeira internacional para a capital: mais pequena, nada tecnológica, muito mais discreta - mas provavelmente nem por isso menos influente.

Trata-se, pela primeira vez em Lisboa, de um congresso europeu de maçonarias, cuja organização anfitriã será a maior, mais antiga e mais influente obediência maçónica portuguesa, o Grande Oriente Lusitano (GOL). Estão convocadas cerca de trinta organizações maçónicas de toda a Europa, confederadas pela Aliança Maçónica Europeia (AME), liderada pelo belga Marc Menschaert, e que tem sede em Bruxelas.

O convite partiu do chefe do GOL, advogado Fernando Lima, recém-reeleito grão-mestre da obediência, e a AME aceitou. Virão a Lisboa "irmãos" representando organizações de vários países europeus: França, Bélgica, Grécia, Luxemburgo, Suíça, Espanha, Roménia, Polónia, Croácia, Turquia, etc. E também "irmãs", visto que a AME inclui obediências femininas: além da portuguesa, a Grande Loja Feminina da Bélgica, a Grande Loja Feminina de Espanha e a Grande Loja Feminina de França.

A maçonaria europeia aplica-se fortemente na defesa da separação total entre Estado e Igreja

O evento terá lugar no dia 18, no Palácio do Grémio Lusitano (sede do GOL), no Bairro Alto, em Lisboa. Será usado o "salão nobre" do edifício, o Templo José Estêvão. Tudo, evidentemente, à porta fechada, como é norma e tradição nas organizações maçónicas. Depois, algures em Lisboa, o congresso terminará com um jantar juntando todos os participantes. A agenda não está definida mas preveem-se discussões sobre a emergência de nacionalismos na Europa e ainda de uma questão a que os maçons dedicam grande atenção, a laicidade do Estado.

Lóbi oficialmente reconhecido

A maçonaria é há alguns séculos, na civilização ocidental, uma força com influência reconhecida (em Portugal foi quem liderou todo o processo que conduziu ao fim da monarquia, sendo maçons todos os principais líderes da I República (1910-1926). De há uns anos para cá, na Europa, essa força já tem estatuto de lóbi oficialmente reconhecido, na sequência de um diálogo estabelecido nos anos 90 do século passado com o então presidente da Comissão, Jacques Delors.

Isso traduziu-se na inscrição da Associação Maçónica Europeia no Registo da Transparência da UE, uma base de dados da Comissão Europeia que "enumera as organizações que procuram influenciar o processo legislativo e a tomada de decisões das instituições da UE". E que, além disso, "dá informações sobre que interesses são promovidos, por quem e com que fundos, permitindo aos cidadãos e a outros grupos de interesse acompanhar as atividades de lóbi e exercer um controlo público das mesmas".

Este registo implica que todas as organizações nele constantes revelem todas as interações que mantém com decisores políticos da UE - uma forma de dar transparência à atividade, assim reconhecida, do lóbismo (representação de interesses setoriais). Em Portugal nada de parecido existe - mas para lá se caminha, por via de um projeto de lei do CDS entregue no Parlamento (que ainda não foi votado).

A Aliança Maçónica Europeia afirma que "trabalha para a perfeição da humanidade e para a construção de uma Europa baseada nos princípios do secularismo e do respeito pelos valores da paz, liberdade, igualdade, solidariedade, responsabilidade e, acima de tudo, fraternidade", recordando que esses são "os princípios e os valores que constituem a base para a criação da União Europeia".

O seu principal objetivo é "promover os valores e princípios da Maçonaria, especialmente a liberdade de consciência e pensamento, assim como o direito inalienável aos ideais da democracia, fraternidade, igualdade de direitos para todos os seres humanos e dignidade humana, incluindo o direito à escolha da procriação, da conceção e da extinção da vida".

Além do mais, "defende o princípio do secularismo", o qual " implica a separação rigorosa e completa entre as instituições europeias, igrejas e organizações filosóficas - separação, mas não oposição", empenhando-se também na ideia de que a investigação científica não pode estar limitada por razões religiosas.

Exclusivos