Cultura e Finanças autorizam despesa para obras dos sinos de Mafra até 2019

A circulação pedonal em frente às torres do Palácio Nacional ficou interdita, para evitar acidentes decorrentes da queda de sinos ou outras estruturas devido ao mau tempo

Os ministérios da Cultura e das Finanças autorizaram um gasto de 1,5 milhões de euros entre 2018 e 2019 nas obras de requalificação dos sinos do Palácio de Mafra, segundo a portaria publicada hoje no Diário da República.

A portaria de repartição de encargos pelos anos de 2015 a 2017 já tinha sido publicada em 2015, mas, como passados três anos as obras ainda não começaram, os ministérios da Cultura e das Finanças tiveram de publicar uma nova portaria de extensão da despesa.

Na portaria, Cultura e Finanças autorizam a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural não só a usar a verba de cerca 1,5 milhões de euros, como a repartir os encargos pelos anos de 2018 (713 mil euros) e 2019 (836 mil euros).

No documento, os dois ministérios reconhecem a "urgente necessidade de proceder à reabilitação" dos sinos e carrilhões do Palácio de Mafra "face ao avançado estado de degradação" assim como "riscos de segurança não só para o património em si, como para os utentes do imóvel e transeuntes da via pública", uma vez que os sinos se encontram escorados por andaimes.

Contudo, admitem que as estruturas de suporte de madeira dos sinos "apresentam apodrecimento generalizado" e que "existem cabeçalhos que, pela degradação da madeira e dos elementos metálicos, se encontram em perigo de queda, verificando-se, inclusivamente, deformações dos escoramentos em consequência do assentamento contínuo de estruturas e sinos, encontrando-se, frequentemente, peças, tanto de madeira como metálicas, ferragens e ligações, nos pavimentos das torres e nos terraços contíguos".

Na terça-feira, a DGPC confirmou que remeteu ao Tribunal de Contas os esclarecimentos solicitados relativos às obras, no âmbito do processo de pedido de visto para as obras de requalificação dos sinos e dos carrilhões de Mafra, no distrito de Lisboa, onde existem interdições de circulação por risco de queda.

De acordo com explicações do Tribunal de Contas à Lusa, o visto do tribunal, necessário para o início das obras, foi pedido a 02 de novembro, mas estava pendente desde 19 de dezembro, data em que foram pedidos mais elementos à DGPC.

Em setembro de 2015, foi lançado um concurso de 1,5 milhões de euros para o restauro, mas as obras ainda não começaram.

Há duas semanas, DGPC e Proteção Civil Municipal interditaram a circulação pedonal em frente às torres do Palácio Nacional de Mafra para evitar acidentes decorrentes da queda de sinos ou outras estruturas, devido ao mau tempo.

Desde 2004, que os sinos, alguns a pesarem 12 toneladas, são presos por andaimes, solução provisória para garantir a sua segurança e das estruturas de suporte, em madeira, que estão apodrecidas, assim como das pessoas que circulam em frente ao palácio.

Por isso, foram classificados como um dos "Sete sítios mais ameaçados na Europa" pelo movimento de salvaguarda do património Europa Nostra.

Os dois carrilhões e os 119 sinos, que marcam as horas e os ritos litúrgicos, constituem o maior conjunto sineiro do mundo, sendo, a par dos seis órgãos históricos e da biblioteca, o património mais importante do palácio.

Em 2017, o palácio foi visitado por 377 mil pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.