"Copos e mulheres": Portugal pede afastamento de Dijsselbloem

Ministro holandês sugere que países do Sul gastam tudo em "copos e mulheres". Na sua família política pedem-lhe a cabeça

Uma frase de Jeroen Dijsselbloem numa entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung ("Como social-democrata, atribuo uma importância extraordinária à solidariedade. Mas também deve haver obrigações: não se pode gastar todo o dinheiro em copos e mulheres e depois pedir ajuda") deu ontem ao governo português o pretexto que faltava para pedir o afastamento do ministro holandês do grupo da UE que junta os países do euro, o Eurogrupo.

"Hoje, no Parlamento Europeu, muita gente entende que o presidente do Eurogrupo não tem condições para permanecer à frente do Eurogrupo e o governo português partilha dessa opinião", disse ontem em Washington o ministro português dos Negócios Estrangeiros. Para Augusto Santos Silva, as declarações do (ainda) ministro holandês das Finanças foram "muito infelizes e, do ponto de vista português, absolutamente inaceitáveis". "Há, por um lado, o aspeto de uma graçola que usa termos que hoje já não são concebíveis, essa ideia de gente que anda a gastar dinheiro com vinho e mulheres é uma forma de expressão que, com toda a certeza, não é própria de um ministro das Finanças europeu."

Da ofensiva socialista portuguesa contra Dijsselbloem fez parte também uma reação do PS. A secretária-geral adjunta do partido, Ana Catarina Mendes, enviou uma carta ao presidente do Partido Socialista Europeu (PES), Sergei Stanishev, em que pede que a organização anuncie desde já que não apoia uma eventual recandidatura de Dijsselbloem a presidente do Eurogrupo. "É agora evidente que alguém que partilha estas opiniões não reúne condições para exercer as funções de presidente do Eurogrupo. E o PSE deve retirar qualquer apoio político à sua candidatura", salientou Ana Catarina Mendes na mesma carta.

Dijsselbloem - note-se - integra o governo holandês como ministro das Finanças em representação do Partido Trabalhista, que faz parte da mesma família política europeia do PS português. Os trabalhistas holandeses saíram fortemente derrotados das legislativas do dia 15, tendo agora a mais pequena representação parlamentar da sua história (nove em 150 deputados). É portanto improvável que um futuro novo governo, ainda em processo de negociação, volte a incluir o partido do presidente do Eurogrupo.

Foi entre os socialistas europeus que se ouviram afirmações mais indignadas face ao que o ministro disse. A exigência de que Dijsselbloem deixe a presidência do Eurogrupo foi partilhada pelo líder dos socialistas no Parlamento Europeu. Dijsselbloem "não está apto para ser presidente do Eurogrupo", declarou o eurodeputado italiano Gianni Pittella. São declarações "vergonhosas e chocantes", afirmou.

Em Portugal, o Bloco de Esquerda também reagiu anunciando que vai levar ao Parlamento um voto de repúdio.

Os bloquistas consideraram as declarações "provocatórias, xenófobas e sexistas", acusando Dijsselbloem de "insultar todos os cidadãos do Sul da Europa e as suas instituições". Com estas afirmações, Djisselbloem mostra uma "visão preconceituosa e chauvinista sobre milhões de cidadãos".

Confrontando com as críticas, Jeroen Dijsselbloem manteve o que disse, garantindo que não irá pedir desculpas. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.