Comboio de alta velocidade avança entre Évora e Mérida

ATUALIZAÇÃO: Ministro desmentiu tratar-se de alta velocidade

A Comissão Europeia deverá hoje divulgar, através da rede social Twitter, a decisão de avançar com o comboio de alta velocidade entre Évora, em Portugal, e Mérida, em Espanha, segundo fonte comunitária.

ATUALIZAÇÃO às 12:00 - Esta informação foi posteriormente desmentida pelo Governo português

À margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, fonte europeia explicou, num encontro com jornalistas, que a informação surge depois de uma reunião entre a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc, e os ministros de Portugal, Espanha e França.

A comissária Violeta Bulc tinha revelado o compromisso assumido esta manhã por Lisboa e de Madrid em resolverem a questão dos 'missing links' (elos de ligação nas vias ferroviárias).

Fonte comunitária precisou que Bruxelas anunciará ainda hoje os passos e as fases do calendário para a ligação em comboio de alta velocidade entre Évora e Mérida.

Depois da presença da comissária Bulc em Portugal, para o lançamento do concurso para a ligação ferroviária entre Elvas e Caia, a Comissão Europeia tomou uma das medidas que consta da restrita lista das denominadas 'implementing decision', que "claramente estabelece como o projeto vai ser implementado nos próximos anos".

Em conferência de imprensa, a comissária tinha revelado ter saído de uma "reunião importante e especial com os ministros dos Transportes de França, Espanha e Portugal, que concordaram em avançar com os elos em falta [missing links] dos corredores e que, em especial, os corredores de mercadorias vão servir não apenas os países, mas as necessidades da União Europeia (UE)".

Questionada sobre mais pormenores, a responsável lembrou a sua recente deslocação e referiu o acordo entre os países ibéricos, assumindo que a "questão transfronteiriça iria ser resolvida".

"Os ministros informaram que os trabalhos decorrem como previsto e que os elos em falta serão instalados. O que foram realmente boas notícias, especialmente depois de um período tão curto de tempo. Realmente importa quando os decisores se comprometem e os serviços podem agir", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".