CDU perde dez câmaras, nove para o PS e uma para independentes

Almada e Barreiro, dois bastiões históricos dos comunistas, passaram para o PS.

No balanço da noite eleitoral, as contas da CDU saldam-se pela perda de dez autarquias, nove das quais passam para as mãos dos socialistas. É o caso de dois bastiões históricos dos comunistas. Almada, município que era do PCP desde as primeiras eleições locais, em 1976, terá agora como presidente de câmara a socialista Inês de Medeiros, que venceu as eleições por 213 votos. O Barreiro, que há três mandatos estava sob gestão da CDU, também votou ontem maioritariamente no PS. No distrito de Setúbal, o partido de Jerónimo de Sousa viu ainda cair o município de Alcochete.

No Alentejo, a CDU perdeu a câmara do Alandroal (distrito de Évora). Mais a sul, passaram para o PS Barrancos, Castro Verde, Moura e a própria capital de distrito, Beja.

A coligação, que junta PCP e PEV, perdeu também para os socialistas a câmara de Constância, em Santarém, e Peniche, no distrito de Leiria, esta para um grupo de independentes. Neste último caso a CDU passou de partido maioritário, com três vereadores, a quarta força política, com apenas um eleito no executivo municipal.

Nas contas eleitorais dos comunistas, há ainda a destacar a perda de maiorias absolutas em Palmela e Seixal, no distrito de Setúbal.

Nas contas do PCP continuam municípios como Loures e Évora.

Ontem, na reação aos resultados eleitorais, o líder comunista, Jerónimo de Sousa, assumiu o resultado negativo nas eleições com a perda de "nove a dez autarquias [o Barreiro não estava, então, ainda fechado]", ficando a coligação com um resultado ao nível de 2009.

Já António Costa fez questão de sublinhar que "a vitória do PS não é a derrota de nenhum dos seus parceiros parlamentares [BE, PCP e PEV]".

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?