CDS. "O primeiro ministro não manda no parlamento"

Centristas querem ver aprovado até meados de julho o projeto de lei que baixa o imposto sobre os combustíveis

"O primeiro-ministro não manda no parlamento, responde ao parlamento". É com estas palavras que o CDS responde a António Costa, que veio defender que o projeto de lei dos centristas que elimina a taxa adicional ao Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP) - aprovado na Assembleia da República na última quinta-feira - não terá, para já, qualquer "tradução prática".

"Essa folga nunca pode existir este ano porque a Constituição não permite ao parlamento aprovar reduções de receita. Há um debate em curso na Assembleia da República e, como o Governo disse, só estamos disponíveis para discutir a tributação da energia no seu conjunto e no momento próprio - o debate orçamental", afirmou o primeiro-ministro, na última sexta-feira.

Declarações "surpreendentes", contrapõe o centrista Pedro Mota Soares: "Foi o próprio primeiro-ministro que prometeu que o imposto baixaria se os preços [dos combustíveis] subissem. Foi o primeiro-ministro que deu a sua palavra e não a honrou". "Os portugueses estão a pagar mais 20 euros por cada depósito que atestam, mas o primeiro-ministro parece mais preocupado em fazer um saque fiscal", critica o parlamentar do CDS.

"Vamos fazer tudo o que esteja ao nosso alcance para que o processo [legislativo] esteja concluído até meados do mês de julho",acrescenta Pedro Mota Soares, sublinhando também que será "absolutamente lamentável" se o PS entrar em "manobras dilatórias" para arrastar a discussão do documento: "Não é possível que o PS queira ganhar na secretaria o que perdeu no plenário".

Para o ex-ministro, a proposta que foi aprovada na última quinta-feira (Com o voto favorável do CDS e PSD, a abstenção do PCP e BE e o voto contra do PS) não tem problemas de inconstitucionalidade, na medida em que a receita dos impostos sobre os combustíveis "vai ficar muito acima" daquilo que o governo previu no Orçamento para este ano. Isto porque a subida dos preços resulta num aumento das receitas de IVA cobradas pelo Estado. "O governo está a encaixar muito mais em impostos", diz Mota Soares.

Mas este está longe de ser um entendimento maioritário. Do PSD ao PCP, passando pelo ex-dirigente do partido António Lobo Xavier, o entendimento generalizado é o de que o texto do CDS contende com a chamada lei-travão, uma norma constitucional que impede que o parlamento aprove medidas que impliquem perda de receita para o Estado no ano orçamental em curso. O CDS não acompanha a leitura, mas garante que o partido tem abertura para discutir agora, em sede de comissão parlamentar, propostas de alteração que venham a ser entregues por outros partidos. O mais importante, diz ao DN, é "baixar o preço da gasolina e do gasóleo o mais rapidamente possível".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.