Caso Sócrates "envergonha qualquer socialista", diz João Galamba

Porta-voz do PS é o segundo dirigente do partido a quebrar o silêncio sobre o processo que envolve o ex-primeiro-ministro. Falou também sobre Manuel Pinho

João Galamba, porta-voz do PS, afirmou esta quarta-feira que o caso de José Sócrates "envergonha qualquer socialista, sobretudo se as acusações vierem a confirmar-se". É, assim, esta quarta-feira, o segundo dirigente socialista - depois de Carlos César aos microfones da TSF - a falar em vergonha relativamente ao processo que envolve o antigo primeiro-ministro.

Disse que é o "sentimento de qualquer socialista" ao ver um "ex-primeiro-ministro e secretário-geral do PS" a ser "acusado de corrupção e branqueamento de capitais". "Obviamente envergonha qualquer socialista, sobretudo se as matérias da acusação vierem a confirmar-se", acrescentou ainda na rubrica Esquerda-Direita, na SIC Notícias.

E se Carlos César também falou em vergonha em relação a polémica em torno de Manuel Pinho, João Galamba diz-se perplexo: "Estamos sobretudo perplexos com a revelação pública de um ministro de um Governo do PS que recebia mensalmente verbas quando disse que tinha cessado toda e qualquer relação com o BES. Gerou perplexidade em toda a gente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...