Câmara de Lisboa defende quotas e cauções para alojamento local

Fernando Medina defende uma legislação diferenciada para o mercado do alojamento local na capital e propõe a criação de quotas nos prédios e o pagamento de cauções

O presidente da Câmara de Lisboa defendeu esta terça-feira, no parlamento, a atribuição de "vastos e amplos poderes" aos municípios para que possam regular o alojamento local, propondo quotas nos prédios e o pagamento de cauções na capital.

"O atual quadro legal do alojamento local está esgotado", afirmou o autarca Fernando Medina, considerando que, no âmbito da discussão da alteração à lei, "seria um erro haver uma legislação que tratasse tudo por igual no país ou até na cidade de Lisboa".

"Seria mais pernicioso do que benéfico", afirmou.

No âmbito de uma audição parlamentar, em conjunto com o presidente da Câmara de Faro, no grupo de trabalho da Temática do Alojamento Local, o autarca de Lisboa destacou a importância de existir regulamentação "inteligente e flexível", advogando que devem ser os municípios a autorizar o funcionamento dos estabelecimentos de alojamento local, "através de regulamento municipal próprio".

"Sem esta autorização [por parte dos municípios] não há possibilidade de fixar regimes de quotas", apontou o presidente da Câmara de Lisboa, referindo que é preciso assegurar a "multifuncionalidade" de cada bairro e de cada zona de uma cidade, assim como "cuidar das externalidades que o alojamento local causa" para o prédio em que está instalado e para a zona envolvente, desde o ruído ao depósito de lixo.

Neste sentido, o estabelecimento de um regime de quotas visa permitir aos municípios equilibrar a relação entre a oferta de arrendamento habitacional e de alojamento local, indicou Fernando Medina, ressalvando que é necessário gerir as diferentes realidades do município de Lisboa, onde há zonas em que o alojamento local deve ser limitado e outras em que pode ser incentivado.

Em termos de regulação das externalidades, o presidente da Câmara de Lisboa sugeriu o estabelecimento de cauções no processo de autorização do alojamento local, que deve ser da responsabilidade dos municípios, para "assumir custos concretos" como a remoção de lixo ou coimas de ruído, podendo "chegar ao ponto de os municípios retirarem as autorizações de funcionamento" devido ao incumprimento reiterado das regras estipuladas.

O autarca lisboeta manifestou-se ainda favorável à aplicação de "valores acrescidos na comparticipação ao condomínio em termos de frações que estejam afetas ao alojamento local", já que estas "usam mais as partes comuns" dos prédios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.