Câmara de Lisboa defende quotas e cauções para alojamento local

Fernando Medina defende uma legislação diferenciada para o mercado do alojamento local na capital e propõe a criação de quotas nos prédios e o pagamento de cauções

O presidente da Câmara de Lisboa defendeu esta terça-feira, no parlamento, a atribuição de "vastos e amplos poderes" aos municípios para que possam regular o alojamento local, propondo quotas nos prédios e o pagamento de cauções na capital.

"O atual quadro legal do alojamento local está esgotado", afirmou o autarca Fernando Medina, considerando que, no âmbito da discussão da alteração à lei, "seria um erro haver uma legislação que tratasse tudo por igual no país ou até na cidade de Lisboa".

"Seria mais pernicioso do que benéfico", afirmou.

No âmbito de uma audição parlamentar, em conjunto com o presidente da Câmara de Faro, no grupo de trabalho da Temática do Alojamento Local, o autarca de Lisboa destacou a importância de existir regulamentação "inteligente e flexível", advogando que devem ser os municípios a autorizar o funcionamento dos estabelecimentos de alojamento local, "através de regulamento municipal próprio".

"Sem esta autorização [por parte dos municípios] não há possibilidade de fixar regimes de quotas", apontou o presidente da Câmara de Lisboa, referindo que é preciso assegurar a "multifuncionalidade" de cada bairro e de cada zona de uma cidade, assim como "cuidar das externalidades que o alojamento local causa" para o prédio em que está instalado e para a zona envolvente, desde o ruído ao depósito de lixo.

Neste sentido, o estabelecimento de um regime de quotas visa permitir aos municípios equilibrar a relação entre a oferta de arrendamento habitacional e de alojamento local, indicou Fernando Medina, ressalvando que é necessário gerir as diferentes realidades do município de Lisboa, onde há zonas em que o alojamento local deve ser limitado e outras em que pode ser incentivado.

Em termos de regulação das externalidades, o presidente da Câmara de Lisboa sugeriu o estabelecimento de cauções no processo de autorização do alojamento local, que deve ser da responsabilidade dos municípios, para "assumir custos concretos" como a remoção de lixo ou coimas de ruído, podendo "chegar ao ponto de os municípios retirarem as autorizações de funcionamento" devido ao incumprimento reiterado das regras estipuladas.

O autarca lisboeta manifestou-se ainda favorável à aplicação de "valores acrescidos na comparticipação ao condomínio em termos de frações que estejam afetas ao alojamento local", já que estas "usam mais as partes comuns" dos prédios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.