Braço direito de Mesquita Machado detido por suspeita de corrupção

Vítor Sousa, ex-vice presidente da Câmara de Braga no mandato de Mesquita Machado, foi detido por indícios de corrupção, confirmou o DN

O DN apurou que Vitor Sousa foi investigado por alegados indícios de corrupção quando ainda desempenhava as funções de vice-presidente da autarquia de Braga. Aparentemente, os factos nada terão a ver com o processo de que foi alvo Mesquita Machado.

A Polícia Judiciária irá prestar mais esclarecimentos amanhã sobre a operação que levou à detenção de Vítor Sousa, que era já investigado há muito tempo.

De acordo com o "Correio da Manhã", que avançou com a notícia, o ex-autarca é suspeito de administração danosa enquanto administrador dos Transportes Urbanos de Braga (TUB).

O ex-autarca, que foi candidato do PS à câmara nas últimas autárquicas, estará a ser investigado desde 2011 quando os TUB compraram 13 autocarros à MAN Braga, acrescenta o diário.

Em declarações à Lusa, fonte da PJ de Braga adiantou que a Judiciária deteve também na mesma operação por suspeita de corrupção Cândida Serapicos, antiga dirigente do PS e secretaria e adjunta de Mesquita. Os detidos serão apresentados em tribunal na sexta-feira.

Em causa neste processo está o alegado recebimento de "luvas" na aquisição de autocarros à empresa alemã MAN.

Em julho de 2012, quando surgiram notícias sobre as suspeitas de corrupção neste processo, Vítor de Sousa e Cândida Serapicos alegaram, em comunicado, que se tratavam de "calúnias".

Além de refutarem as acusações, ambos manifestaram disponibilidade e "interesse" em prestar declarações ao Ministério Público.

A denúncia do suposto caso de corrupção terá chegado de forma anónima ao Ministério Público, tendo, entretanto, sido realizadas buscas às instalações dos Transportes Urbanos de Braga (TUB).

No comunicado de julho de 2012, ambos os visados apontavam motivações políticas para as referidas notícias, relacionadas com o momento que se vivia no PS/Braga.

Vítor de Sousa tinha vencido pouco tempo antes a Concelhia do PS, derrotando o deputado António Braga, e era apontado como o provável sucessor de Mesquita Machado como número um da lista socialista à Câmara Municipal de Braga.

No mesmo comunicado, os agora detidos atestavam ainda que "sempre colocaram na gestão da causa e da coisa públicas" valores como "integridade e cumprimento rigoroso".

Valores estes que, afirmavam, iriam atestar "a inveracidade" das notícias.

Vítor de Sousa e Cândida Serapicos adiantavam que já tinham requerido e manifestado ao Ministério Público "o maior interesse em prestarem declarações e esclarecimentos" que se mostrassem necessários "para o apuramento de toda a verdade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.