A melhor defesa é o ataque: Costa defende Vieira da Silva e atira-se a Cristas

Um debate pouco natalício. Costa defendeu Vieira da Silva e socorreu-se de Santana para explicar Montepio. E foi violento na resposta a Cristas

O último debate quinzenal do ano foi duro entre o primeiro-ministro e a direita, mas a esquerda parlamentar que apoia o Governo socialista também deixou críticas por causa dos CTT. Sob fogo, António Costa jogou ao ataque, sobretudo no arremesso ao PSD e ao CDS. A anunciada reestruturação dos Correios, com o anúncio dos inevitáveis despedimentos, preocupa o primeiro-ministro, mas em termos que mereceram as críticas de bloquistas, comunistas e ecologistas. Para Catarina Martins, do BE, os atuais acionistas estão a pilhar um negócio que, antes da privatização, dava lucro. Costa não acompanhou os termos, embora o líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, tenha apontado o dedo ao facto do primeiro-ministro não se ter demarcado desta expressão.

Hugo Soares protagonizou o primeiro momento mais aceso com Costa, por causa do caso da Raríssimas. O líder da bancada do PSD pegou no código de conduta aprovado por este Governo para acusar Vieira da Silva de o violar. Costa recusou a interpretação de Soares: "Não, não violou o código de conduta." E desafiou o presidente do grupo parlamentar social-democrata: "Acuse", se tem algo para acusar. Na réplica, Hugo Soares disse: "Os senhores sabem a resposta e têm medo da resposta: sim, o sr. ministro Vieira da Silva, nos termos do código de conduta, violou o código de conduta."

Sobre o Montepio, o primeiro-ministro repetiu que não há ainda negócio e que a Santa Casa não decidiu ainda nada, socorrendo-se de um comunicado de Santana Lopes, da véspera, onde o ex-provedor da Santa Casa e agora candidato à presidência do PSD escreveu: "Como o tema merece, e tem despertado a natural atenção da sociedade portuguesa, entendo hoje fazer as seguintes precisões: o tema foi de facto, suscitado e tratado em reuniões havidas com o Governo e com o Banco de Portugal. Da parte dessas entidades, a matéria foi tratada com a SCML com a devida correção pessoal e institucional. As duas entidades assumiram ver com bons olhos essa possibilidade, tendo declarado sempre que respeitavam a esfera da autonomia da SCML."

Com Assunção Cristas, o tom é, desde há semanas, muito pouco conciliador. E hoje não foi exceção. Para António Costa, o ano que agora termina "é negro seguramente para quem sofreu" com a morte dos seus. "Mas devia ser muito mais negro para quem não tem o despudor de aproveitar a dor dos outros", apontou. "Quando não lhe resta mais nada a não ser o insulto e explorar a dor alheia", criticou. Assunção Cristas tinha questionado a resposta do Governo nos incêndios, a continuidade de Vieira da Silva por causa da Raríssimas, acusando ainda o primeiro-ministro de não fazer nada para mediar o conflito na Autoeuropa.

Recorde o direto:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.