Auditoria às contas de Belém afinal ficou na gaveta

Marcelo Rebelo de Sousa prometeu passar a pente fino as contas da Presidência e reduzir despesas. Belém diz que houve apenas uma "análise" mas não revela resultados

A Presidência da República nega a existência de auditoria às contas de Belém, medida anunciada em junho do ano passado, com o objetivo de reduzir as despesas e verificar a correção de todos os procedimentos. Fonte do gabinete de Marcelo Rebelo de Sousa diz agora que "nunca houve auditoria", mas uma "análise às contas". Questionado Belém sobre os resultados e as conclusões dessa "análise", tendo decorrido oito meses, não obtivemos resposta até à hora do fecho desta edição.

A iniciativa foi, na altura, confirmada ao DN por fonte oficial da Presidência e aconteceu poucos dias antes de ter sido detido o diretor do Museu da Presidência, Diogo Gaspar, suspeito de cometer vários crimes no exercício das suas funções, entre os quais peculato, participação económica em negócio e abuso de poder. "Não se trata de querer corrigir nada em relação ao que vem de trás, mas simplesmente reduzir a despesa de forma criteriosa, reduzindo os gastos ao essencial, tendo em conta a atual situação do país", sublinhou essa fonte oficial. Uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC), que teve por objeto o exercício financeiro de 2015, tinha alertado para o excesso de compras por ajuste direto, tendo lembrado a Presidência que o concurso público devia ser a regra e esse procedimento apenas a exceção. As despesas com bens e serviços aumentou nesse ano de 3,7 para 4,6 milhões.

Nos últimos meses o jornalista António Granado insistiu com Belém para que lhe fosse facultada a auditoria, sem sucesso. Contou esta semana na sua página de Facebook que recorreu à Comissão de Acesso aos Dados Administrativos (CADA) que obrigou a Presidência a facultar o relatório e foi surpreendido com a resposta de Belém: "O único resultado de auditoria conhecido que corresponde à auditoria feita pelo TdC à Presidência da República, uma vez que não existe outra auditoria a apresentar", alegou.

Confrontado pelo DN com a contradição, o porta-voz oficial de Marcelo invoca um "eventual erro de perceção, provavelmente mútuo", uma vez que "nunca houve uma auditoria do ponto de vista formal". No dia seguinte à notícia avançada pelo DN, o Presidente foi confrontado por vários órgãos de comunicação social sobre a auditoria e não a desmentiu. Quando questionado especificamente sobre o assunto afirmou que "para o futuro é importante isso estar presente, não significa nenhuma crítica a ninguém, é apenas uma prevenção para o futuro".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.