Assunção Cristas: "Valeu a pena arregaçar as mangas"

Não vos vamos defraudar, vamos superar aos vossas expectativas", disse a líder do CDS, em noite histórica para o partido em Lisboa

A presidente do CDS teve a primeira intervenção da noite, a reagir aos resultados já conhecidos. "Esta é uma noite histórica para o CDS", começou por dizer Assunção Cristas e dedicou a sua "primeira palavra a todos os que confiaram o seu voto ao CDS, alguns pela primeira vez". "Não vos vamos defraudar, vamos superar as vossas expectativas", salientou.

Assunção lembrou que tinha assumido, logo quando foi eleita líder do partido em março de 2016, que "as autárquicas não eram para o CDS umas eleições de menor importância" e que "o partido estaria empenhado". "Fizemos bem e o resultado está à vista", exclamou, enchendo a sala de aplausos. A presidente do CDS entende que os objetivos, tendo em conta as projeções e os resultados já conhecidos, "foram superados".

Em Lisboa, assinalou, "dissemos que íamos ter uma candidatura forte e mobilizada e assim foi com a Nossa Lisboa. A confirmarem-se as projeções teremos o melhor resultado desde 1976", declarou.

Assunção considerou que "valeu a pena arregaçar as mangas e calcorrear as ruas de Lisboa, ir ter com as pessoas". A presidente centrista prometeu que "essa é a postura" que "só agora está a começar". O partido, garante, "está animado e confiante. Só queremos uma coisa: servir melhor todos os portugueses".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?