Assunção Cristas é candidata à liderança do CDS

Nuno Melo revelou esta quinta-feira que não avança. Cristas será a primeira mulher a presidir ao CDS

Assunção Cristas é candidata à liderança do CDS. A confirmação da candidatura da ex-ministra surge no mesmo dia em que Nuno Melo revelou que não vai avançar, deixando o caminho livre para Assunção Cristas.

Assunção Cristas anunciou no Facebook a sua decisão: "Sou candidata à liderança do CDS. A decisão foi amadurecida com a minha família e amigos, e beneficiou do conselho e do estímulo de muitas pessoas de dentro e de fora do CDS. A todos muito obrigada!", escreveu. "Nas próximas semanas, com a colaboração de todos, prepararei uma moção sólida para levar ao congresso do CDS. Esta é uma caminhada que faremos juntos, com tranquilidade e muito entusiasmo! Por Portugal, sempre".

A candidata à presidência dos centristas fará uma declaração aos jornalistas às 20:00 na sede do CDS, em Lisboa.

Nuno Melo tinha dito ontem, em entrevista à RTP, que a decisão seria comunicada depois de uma conversa com Assunção Cristas, a ministra da Agricultura do anterior governo de coligação entre PSD e CDS.

Assunção Cristas não quisera esclarecer, na segunda-feira, em declarações ao DN, se era candidata à substituição de Paulo Portas. "Há um tempo para tudo. E este ainda não é o momento de falar sobre isso", disse. Foi assim que a vice-presidente do CDS-PP respondeu, entre sorrisos, à pergunta que o DN lhe fez, na segunda-feira à tarde, numa escola de Pombal.

As informações veiculadas pela direção do CDS-PP eram de que da atual liderança só sairia um único candidato. Ou seja: se Nuno Melo avançasse, Assunção Cristas não avançaria. E vice-versa.

A ser eleita, Assunção Cristas será a primeira presidente dos centristas, depois de Freitas do Amaral, Francisco Lucas Pires, Adriano Moreira, Manuel Monteiro, Paulo Portas e Ribeiro e Castro.

Paulo Portas, o atual líder do CDS, anunciou a 28 de dezembro, em comissão nacional, que não iria recandidatar-se à liderança do partido no próximo congresso, em março.

A ex-ministra da Agricultura, que foi uma das apostas de Paulo Portas, tem vindo a destacar-se nos últimos anos, sendo bastantes vezes apontada como alternativa à sucessão. A própria Assunção Cristas chegou a admitir, antes do verão, estar disponível para avançar se a questão se colocasse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.