Associações de polícias e militares marcam encontro nacional para dia 20

Militares e polícias querem saber com quem e quando vão realizar o processo negocial sobre o descongelamento das carreiras profissionais.

O silêncio dos ministérios da Defesa e da Administração Interna levou as associações e sindicatos das forças de segurança e das Forças Armadas a marcarem esta quinta-feira um encontro nacional para dia 20, em Lisboa.

Em causa está o artigo 19º do Orçamento de Estado deste ano, que determina a realização de um processo negocial entre as partes para desbloquear as respetivas carreiras profissionais daqueles corpos especiais do Estado.

"Para já, nmada está a ser tratado e a lei não está a ser cumprida", afirmou ao DN o presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Mário Ramos, no final da reunião desta manhã - na sede da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia - entre os representantes dos agentes da PSP, dos militares da GNR e dos oficiais, sargentos e praças das Forças Armadas.

O encontro nacional agora marcqado, a realizar próximo do Parlamento e aberto a todos os elementos daqueles corpos especiais do Estado, visa aprovar um documento para entregar na residência oficial do primeiro-ministro.

Os participantes na reunião desta quinta-feira já tinham enviado um ofício sobre a matéria ao primeiro-ministro há cerca de duas semanas. António Costa, precisou Mário Ramos, "respondeu e encaminhou" o caso para os respetivos ministérios mas sem resultados práticos.

"Queremos saber que nos vai receber e onde", pois "não podemos ficar à espera que queiram resolver" essa matéria "em dezembro" deste ano quando os efeitos dos descongelamentos das carreiras se reportam a 1 de janeiro, sublinhou ainda Mário Ramos.

No caso das Forças Armadas, "temos de perceber como é que o descongelamento das carreiras se vai aplicar a nós", uma vez que nem todas as progressões a ocorrer terão impactos financeiros devido ás promoções que foram sendo feitas nas Forças Armadas. "É só isso que queremos", insistiu o dirigente da ANS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.