ASAE suspende cantina e instaura 23 contraordenações a escolas

Cento e vinte e nove operadores económicos foram fiscalizados. Uma cantina escolar foi suspensa de atividade por falta de higiene

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) suspendeu a atividade de uma cantina escolar e instaurou 23 processos contraordenacionais no âmbito de ações de fiscalização de restauração em escolas realizadas nas últimas semanas do primeiro período letivo.

Em comunicado, a ASAE explica que foram fiscalizados 129 operadores económicos, tendo sido determinada a suspensão de atividade de uma cantina escolar por falta de higiene.

Além disso, foram instaurados "23 processos de natureza contraordenacional", destacando-se, entre as principais infrações, o incumprimento dos requisitos de higiene, a inexistência de processos baseados nos princípios da Análise de Perigos e Controlo de Pontos Críticos (HCCP, sigla em inglês) ou a sua deficiente implementação e a falta de inspeção periódica à instalação de gás.

A operação de fiscalização foi dirigida aos serviços de restauração em estabelecimentos de ensino pré-escolar, básico, secundário, superior e/ou profissional, de natureza pública ou privada, com o objetivo de verificar o fornecimento de refeições aos alunos com o objetivo de garantir as condições relativas à Segurança Alimentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.