"Animado com perspetivas", Marcelo diz à Grécia que "pode contar" com Portugal

Depois de ouvir o presidente grego garantir que os compromissos serão "assumidos", Marcelo elogiou a "corajosa resiliência" do povo grego. A Alexis Tsipras garantiu apoio num "momento importante".

Garantindo que Portugal está atento ao que se passa no Mediterrâneo e às preocupações gregas em relação ao futuro, Marcelo Rebelo de Sousa afirma-se, no entanto, otimista, e, a poucos meses da conclusão do programa de ajustamento que continua em vigor na Grécia, o chefe de Estado insiste que Atenas está no bom caminho.

"Animam-me imenso as perspetivas que se abrem para a economia e para a sociedade gregas, quando, daqui por poucos meses, em junho, se concluir o Programa de Assistência Económica e Financeira, tal como ainda ontem reconheceu o presidente do Eurogrupo, no final de uma reunião em que foi saudada a conclusão da terceira revisão", disse o presidente português, no Palácio Presidencial helénico, em Atenas, onde, durante o discurso, não adiantou que tipo de saída prevê para a Grécia, ou seja, através de uma saída limpa ou de um programa cautelar.

Antes, também o presidente grego, Prokopios Pavlopoulos, tinha lançado a pedra que ajudaria a sustentar o otimismo do chefe de Estado português, afirmando que a Grécia "vai cumprir na íntegra os compromissos assumidos" com Bruxelas. Quanto a Marcelo, não esquece os esforços dos gregos durante os anos mais complicados da crise, salientando a "corajosa resiliência do povo grego durante uma crise económica e financeira que a todos afetou de forma tão profunda".

Mas, considerando que as perspetivas de futuro são positivas, acrescenta: "Chego à Grécia com sentimento de confiança e de crença no futuro". Quanto ao programa de resgate grego e referindo-se, de uma forma geral, aos programas de assistência financeira e ajustamento, o chefe de Estado assinala que não devem ter em conta apenas as finanças de cada país.

"Não há argumentos financeiros que possam ultrapassar as preocupações com as pessoas, há um ajustamento constante a fazer a pensar nas pessoas, nos europeus", afirmou.

Quanto às relações entre os dois países, Marcelo insiste que não podiam ser melhores, e sublinha, até, que entre Portugal e a Grécia há várias matérias "convergentes", dando como exemplo o objetivo de concluir a união económica e monetária - e, em particular, a união bancária -, um quadro financeiro plurianual que seja "equilibrado e justo" ou as políticas de acolhimento de migrantes e refugiados.

Marcelo garante a Tsipras que "pode contar" com Portugal

Depois do encontro com o homólogo grego, o presidente da República teve uma breve conversa com o primeiro-ministro helénico, Alexis Tsipras, adiantando, numa curta declaração, que, numa altura que pode ser decisiva para a saída da Grécia do programa de assistência financeira, Portugal está ao lado de Atenas

"Estamos a três meses de um momento histórico e importante para a Grécia e a Grécia sabe que pode contar com Portugal neste momento importante de preparação do futuro", disse o chefe de Estado, que, perante o chefe do Governo grego, disse ainda que há uma relação "muito forte e natural entre os nossos estados e os nossos povos" e uma relação "muito boa" entre presidentes e governos.

Pelo lado grego, Alexis Tsipras garantiu que a Grécia "quer continuar com esta relação que existe entre os dois países".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.