Angela Merkel visita Portugal nos dias 30 e 31 deste mês

A chanceler alemã, Angela Merkel, efetua uma visita oficial a Portugal nos dias 30 e 31 deste mês a convite do primeiro-ministro, António Costa, refere um comunicado do gabinete do líder do executivo português.

Na mesma nota, adianta-se que Angela Merkel visitará no dia 30, em Braga, o novo Centro de Investigação e Desenvolvimento da empresa Bosch, deslocando-se também ao Porto, designadamente ao Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, I3s.

O programa inclui também um debate sobre o projeto europeu com estudantes de doutoramento da Universidade do Porto, no âmbito da iniciativa "Encontros com os cidadãos".

A parte institucional do programa da chanceler alemã em Portugal terá lugar em Lisboa, no dia 31, sendo recebida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Na capital portuguesa, Angela Merkel reunirá nesse mesmo dia com o primeiro-ministro.

Um encontro em que os dois chefes de governo procurarão "reforçar as relações políticas e económicas bilaterais e prosseguir o trabalho estreito que vêm desenvolvendo em temas centrais para o futuro da Europa, em particular o roteiro para completar a União Económica e Monetária, a gestão das migrações e o futuro Quadro Financeiro Plurianual", refere-se na mesma nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.