Aeroporto: esperas de mais de uma hora para entrar em Lisboa subiram 500%

A ANA, empresa gere os aeroportos, constatou que num caso só estavam a funcionar dois dos 16 postos de passagem do SEF

Em metade dos dias, desde o início do ano, houve passageiros que aterraram no aeroporto de Lisboa a esperar mais de uma hora no controlo de passaportes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), de acordo com dados da ANA, empresa que gere esta infraestrutura de transporte aéreo. Os números comparativos do primeiro semestre deste ano, a que o DN teve acesso, permitem concluir que a situação está a agravar-se: em 2016 apenas em 9% dos dias houve filas de mais de 60 minutos e em 2015 em 7,2%. Comparando os primeiros seis meses deste ano, com igual período de 2016, o aumento do número de dias a ultrapassar a hora de espera foi de 500%.

As situações de autêntico caos na zona de chegadas do aeroporto Humberto Delgado, já antes noticiadas pelo DN, foram ainda mais notórias no mês de junho, segundo as mesmas estatísticas, com o aumento dos turistas já esperado para o verão. Neste mês, em 14 dias (47%) as esperas foram superiores a uma hora, incluindo sete dias com filas a demorar mais de hora e meia e um caso com mais de duas horas.
Contactada pelo DN, a ANA não quis comentar estas tabelas, que registam os tempos máximos de espera nos postos do SEF, durante os voos da madrugada/manhã, onde se têm ocorrido os maiores problemas. O SEF também não respondeu ao DN. Na verdade, esta monitorização da empresa aeroportuária, confirma, por um lado, que as filas de mais de duas horas são "pontuais" (sete casos desde início do ano), conforme tinha dito o SEF ao DN, mas, por outro lado, demonstra que este serviço de segurança não tinha razão quando garantiu que se "registaram muitos dias em que o tempo de espera foi inferior a 40 minutos".

Os dados da ANA mostram que em 90% dos dias de junho, os passageiros esperaram mais de 40 minutos para passarem o controlo do SEF, com apenas três dias em que essa fasquia não foi ultrapassada. Entre janeiro e junho, apenas houve 35 dias em que essa média foi inferior a 44 minutos, sendo que apenas em oito dias os passageiros esperaram menos de 30 minutos para entrar em Lisboa.

No início do ano, Constança Urbano de Sousa definiu os "Objetivos Estratégicos do ministério da Administração Interna 2017/2019" e uma das "metas operacionais" do SEF para este ano é "fixar em menos de 40 minutos o tempo máximo de espera de processamento no controlo de fronteiras".

A monitorização da ANA abrange também o registo do número de postos de controlo do SEF que estão a funcionar, principalmente nos momentos de maior afluxo de chegadas dos voos que trazem passageiros sujeitos a controlo de passaportes (não Shengen). Fonte da empresa que está a acompanhar o processo salientou ao DN que, num caso, em maio, em que os passageiros demoraram mais de três horas para passar a fronteira, apenas havia dois postos a funcionar. Esta constatação pode explicar as declarações, na semana passada, do presidente da ANA, Carlos Lacerda, ao afirmar que o número de inspetores do SEF era suficiente, contrariando toda a campanha que tem sido feita pelo sindicato destes polícias a reivindicar a necessidade de admitir mais inspetores. Nas contas dos responsáveis da empresa, explicou a mesma fonte, "mesmo se os 16 postos das chegadas estivessem ativos 24 horas por dia em simultâneo - o que nunca acontece - , para três turnos seriam precisos 48 inspetores, o que, para os 230 que o SEF diz que estão destacados no aeroporto ainda vai uma grande distância".

Fonte do serviço de segurança explicou ao DN que na "primeira linha" de ação existe um total de "39 posições por turno (chegadas, partidas, RAPID , terminal 2 e terminal das tripulações e VIP), o que multiplicando por três turnos dá um total de 117 inspetores. Os restantes explica, estão nas chamadas "segunda e terceira linha e são quem interroga suspeitos, encaminha os ilegais para as instalações onde aguardam os retornos e tratam de um vasto conjunto de diligências no âmbito das suas competências".

Constança Urbano de Sousa prometeu para Agosto uma avaliação das metas que determinou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.