ACT identifica 163 falsos recibos verdes em produtoras de programas de televisão

A Autoridade para as Condições de Trabalho inspecionou 42 locais de trabalho, entre estúdios de televisão e sedes das produtoras

A Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) anunciou hoje que identificou 163 "falsos prestadores de serviços/falsos recibos verdes" no âmbito de uma inspeção realizada em empresas produtoras de programas de televisão e outras atividades de apoio.

A ACT refere, em comunicado, que estes "falsos prestadores de serviços/falsos recibos verdes" prestavam "atividade, por forma aparentemente autónoma, mas em condições análogas ao contrato de trabalho".

A autoridade afirma que está a acompanhar "todas as situações irregulares detetadas, encontrando-se a adotar todos os procedimentos necessários e adequados, a fim de ser reposta a legalidade".

A ação da ACT, que decorreu nos dias 14 e 15 de fevereiro, visou verificar a regularidade do recurso a contratos de prestação de serviço no âmbito da atividade de produção de programas de televisão.

A inspeção envolveu 83 inspetores do trabalho, tendo sido visitados 42 locais de trabalho, entre estúdios de televisão e sedes das produtoras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.