118 anos de rendas congeladas

Foi a Primeira República que iniciou o condicionamento do valor das rendas contratadas por senhorios privados que dura até hoje. As leis incluíram a obrigatoriedade de arrendar imóveis devolutos e a proibição de despejos, mesmo quando o senhorio precisava da casa para si.

O primeiro congelamento de rendas ocorreu logo após a proclamação da República, em novembro de 1910: as rendas foram congeladas por um ano, e o prazo fixado pelo Código Civil de 1867 para o aviso da denúncia do contrato pelo senhorio aumentado. Quatro anos depois, deflagra a Primeira Guerra e todas as rendas, de contratos novos e antigos, são congeladas, excecionando-se apenas "as de montante elevado". Os proprietários de imóveis são obrigados a arrendá-los se devolutos. Em 1917, invocando de novo o "estado de guerra", volta a modificar-se a lei, desta feita proibindo expressamente "aos senhorios ou sublocadores [...] intentarem ações de despejo que se fundem em não convir-lhes a continuação do arrendamento, seja qual for o quantitativo das rendas."

Em 1918 e 1919 a legislação é de novo mexida; sê-lo-á subsequentemente mais de 100 vezes, mantendo-se o congelamento. Em 1922, em atenção à grande desvalorização da moeda, permite-se aumentar as rendas em relação com o valor matricial do locado. Mas a maioria das matrizes está muito desatualizada; faz pouca diferença. Em 1924 mantêm-se restrições nos despejos mas possibilitam-se atualizações dos valores matriciais e das rendas. Esta atualização também não surtirá grande efeito, já que em março de 1928 institui-se uma nova fórmula com base no valor matricial, decretando-se que as rendas de locados que vaguem são livremente decididas (o que até então não sucedia: o valor tinha de ser igual ao do contrato que expirara), assim como as de arrendatários com outra habitação e que subaproveitassem o local; os respetivos contratos podem ser cessados por conveniência do senhorio. Em 1948 descongelam-se as rendas fora de Lisboa e Porto, permitindo-se atualização, escalonadamente, até ao duodécimo do valor matricial. O congelamento nas duas cidades mantém-se no novo Código Civil de 1966, que restringe a denúncia "por conveniência do senhorio" mas permite-lhe fixar livremente a renda de início ou num novo contrato.

Chega o 25 de Abril e ocorre nova vaga de congelamento: é alargada a todo o país, logo em 1974, a suspensão de avaliações fiscais para atualização do valor matricial, que só vigorava em Lisboa e Porto. Sob pena de crime, são fixados valores máximos para rendas de prédios antigos; volta o dever de arrendar. Seguem-se muitos outros decretos, que mudam pouco esta situação, até que em 1985 se permite, de acordo com coeficientes baseados no estado do locado e na data da última atualização, a correção extraordinária de rendas fixadas até 1980, com subsídios para inquilinos sem capacidade. Mas as correções incidem em bases muito baixas e as rendas sobem pouco. 10 anos depois, com a justificação de tornar mais atrativo o arrendamento, o governo Cavaco acaba com a obrigatoriedade de contratos vitalícios, liberalizando o mercado - mas só para os novos arrendamentos. Os anteriores a 1990 mantêm-se com rendas congeladas - até hoje.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.