"Nenhum médico pode mandar um paciente para um bruxo ou exorcista"

Presidente do Colégio de Psiquiatria da Ordem dos Médicos estupefacto com afirmações de exorcista e regras do Patriarcado de Lisboa: "Não tem pés nem cabeça"

"Tenho vários psicólogos e psiquiatras amigos que me mandam casos, pessoas que não reagem aos medicamentos." Esta afirmação de Duarte Sousa Lara, reconhecido como exorcista pela diocese de Lamego, reiterada ao longo de um longo vídeo sobre exorcismo que este padre de 43 anos colocou no Youtube, deixa Miguel Bragança, presidente do Colégio da Especialidade de Psiquiatria da Ordem dos Médicos, perplexo. "Confesso-lhe que psiquiatras mandarem um doente ser exorcizado, nunca tinha ouvido. Mas será uma coisa residual, casos secretos, pouco conhecidos, numa aldeia... E é mau e é grave, péssima prática médica. Não posso enviar para um exorcista uma pessoa que tentei tratar e não consegui. Um médico não pode fazer isso. É estritamente proibido. Nenhum médico pode mandar um paciente tratar-se a um cartomante ou bruxo. O sobrenatural não existe em medicina."

Comentando que "o homem" (referindo Sousa Lara) "pode dizer o que quiser", este especialista admite no entanto que "haja uma pequena parte dos psiquiatras que enviam porque acham que a pessoa não tem um problema psiquiátrico. Dentro das perturbações mentais há fronteiras mal definidas. Os exorcistas também fazem parte da pool de, usando uma expressão pejorativa, "vendedores de serviços psicológicos". E há pessoas que podem beneficiar mais de um exorcista que de um psiquiatra. Podem ser pessoas com sentimento mágico, que acreditam em coisas estranhas e estrambólicas." Quer isso dizer que um psiquiatra pode "mandar" para o "professor Karamba" ou para uma "mãe de santo"? "Se eu acho que a pessoa não tem um diagnóstico psiquiátrico, se acho que não tem nenhuma doença mental, faz sentido que ao dar alta envie seja para onde for fora da medicina. Porque aí o médico pode ter uma conversa de café e dizer "se acha que lhe faz bem, vá ao pároco.""

Totalmente diferente, considera, é o que se retira das normas sobre exorcismo constantes num documento de 2012 do Patriarcado de Lisboa. Neste, lê-se: "O ministro da Igreja não apresente a pessoa atormentada ao Exorcista (...) ou ao Ordinário do Lugar [bispo da diocese], para que este conceda a faculdade ocasional para legitimamente fazer o exorcismo, sem antes consultar peritos em ciência médica e psiquiátrica, que tenham a sensibilidade das realidades espirituais. Para maior certeza, os peritos devem ser pelo menos dois, um dos quais psiquiatra, e os seus relatórios devem coincidir no parecer de que não existe explicação científica para a fenomenologia observada no paciente. (...) Assim o ministro da Igreja que apresenta a pessoa atormentada pelo Demónio, guardando sempre o sigilo sacramental, acompanhe essa apresentação com os relatórios referidos."

"Vamos imaginar que uma pessoa vai ao padre e o padre diz vá a psiquiatras e veja o que dizem - isso é outra coisa. Agora, fazer relatórios para o padre? Isso faria da igreja uma estrutura médica - não tem pés nem cabeça. Nenhum psiquiatra faz um relatório para outra pessoa que não o próprio paciente. É proibido emitir qualquer parecer sobre alguém que não seja a pedido do próprio ou de quem o representa legalmente no caso de estar inabilitado. Um simples estudante de direito sabe que isso é ilegal. Vamos imaginar que têm uma pool de três ou quatro ou cinco psiquiatras a quem recorrem. Isso é grave. O código deontológico dos médicos não permite fazer isso. É a negação total da deontologia. É um disparate, porque é proibido legalmente e sobretudo eticamente."

Em 2011, o British Medical Journal publicou um paper onde se cita o caso de uma paciente espanhola com esquizofrenia paranóide que foi considerado possessa e submetida a "múltiplos exorcismos" por padres da arquidiocese de Madrid, embora estivesse em tratamento psiquiátrico. Três anos depois, foi notícia, também em Espanha, o caso de uma menor sujeita, por iniciativa dos pais, a vários exorcismos, entre abril e junho de 2012, em Valladolid. A jovem sofreria de anorexia, auto-mutilar-se-ia e teria mesmo tentado suicidar-se e os exorcismos foram reconhecidos pelo bispo da área, que assegurou não ter dado autorização para os mesmos. A situação foi denunciada por familiares e deu origem a uma investigação judicial, que acabou por ser arquivada.

Em 2015, no Reino Unido, um médico, membro da igreja pentecostal, foi impedido de continuar a praticar medicina por ser acusado de, em 2013, operar pelo menos um exorcismo numa paciente diagnosticada com depressão, tendo-lhe alegadamente dito para não tomar mais medicamentos nem contar ao psiquiatra que a seguia porque "os psiquiatras fazem o trabalho do diabo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.