Desistir com média de 20: Giulia quer melhor

Conversão da média de Itália para Portugal tem em conta outros fatores além da média de final do curso de medicina

O nome de Giulia Monnati, 27 anos, não deveria estar na lista de candidatos ao processo de escolha de especialidade, mas um erro fez com que a sua rescisão de contrato não entrasse a tempo. Surge na posição 1624: 51% no exame de seriação; 20 valores de nota de final de curso. Até podia seguir para uma especialidade, mas já tinha desistido.

Naquela posição da lista, Giulia provavelmente não conseguiria entrar na especialidade para a qual está mais inclinada - medicina interna - e muito menos no Porto. "Quero estudar mais para tentar chegar a algo melhor", disse ao DN. Está novamente agarrada ao Harrison para voltar a fazer a prova nacional de seriação em novembro.

Tal como Giulia, surgem outros alunos italianos com média de 20 valores na lista, uma questão que frequentemente é apontada como resultado de uma maior facilidade do curso em Itália. Mas Giulia explica que não é bem assim. Lá, a média do curso situa-se entre os 18 e os 30 valores. No entanto, prossegue, "a nota final do curso não coincide com a média, porque lhe juntam outros pontos". Por exemplo, fazer Erasmus durante mais tempo, apresentar uma tese experimental ou terminar o curso no tempo previsto dão direito a mais pontos.

"Quando fazem a conversão, não usam a média, mas a nota final do curso, pelo que é fácil chegar à nota máxima", esclarece, acrescentando que é feita de acordo com normas europeias. No seu caso, frisa, a média do curso em Itália era superior aos 28.5, pelo que deveria chegar a um valor próximo dos 19 em Portugal. "Mas há pessoas que podem ter média mais baixa do que a minha e chegar a uma nota final igual. Com um 27, por exemplo, podem ter direito à nota final máxima." Na opinião da médica, seria mais justo que fossem buscar a média do curso e não a nota final.

Quanto ao facto de não existirem vagas para todos os médicos nas especialidades, Giulia diz que a situação em Itália é "particularmente crítica". "Temos qualquer coisa como cinco mil vagas para 13 600 pessoas. Mais de metade não tem acesso a especialidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.