"Inspetores infiltrados" em entrevistas de emprego para detetar fraudes

Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) diz que desta forma poderia detetar casos como o de falsos recrutamentos para o estrangeiro ou restrições à gravidez

O Inspetor-Geral do Trabalho defende que a lei deve permitir que os inspetores da ACT se infiltrem para poder passar por trabalhadores, nomeadamente em entrevistas de emprego. Em declarações à TSF, Pedro Pimenta admite "frustração" por neste momento não ser possível à autoridade confirmar algumas situações denunciadas, uma vez que não conseguem estar no papel de um trabalhador.

São disso exemplo, os casos de empresas que recrutam ilegalmente portugueses para o estrangeiro e que segundo o responsável da ACT têm tido um "crescimento exponencial". "Recentemente surgiu informação de entrevista de emprego por uma companhia aérea que estaria a recrutar de forma ilegal, mas não podemos ir às entrevistas e não conseguimos fazer nada".

A denúncia de que havia empresas que obrigavam as candidatas a assinar uma declaração onde garantiam que não iam engravidar, foi outro dos casos que ficou sem confirmação e por isso sem punição, aponta a ACT.

Atualmente apenas é permitido aos órgãos de polícia criminal poder infiltrar agentes para investigação.

Exclusivos