Guterres já tem site oficial na corrida a secretário-geral da ONU

Portal do ex-primeiro-ministro tem conteúdo em inglês e está alojado na plataforma do governo

A candidatura de António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas lançou esta semana na Internet o seu site oficial, antonioguterres.gov.pt, com conteúdo em inglês e que está alojada na plataforma do Governo português.

O lançamento deste site, que tem como título chave "Uma vida dedicada ao serviço público", ocorre a pouco mais de um mês da primeira votação pelos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que se pronunciarão sobre as diferentes candidaturas com indicações de "encorajamento, desencorajamento" ou "indiferença".

No site, a biografia do antigo primeiro-ministro português e ex-alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) é apresentada em várias línguas, incluindo o chinês, o russo e o árabe, e nele apresenta-se também um texto base com os princípios e objetivos da sua candidatura a secretário-geral da ONU.

Na mesma página da Internet é disponibilizada informação sobre o processo de candidatura de António Guterres, assim como dezenas de discursos que proferiu enquanto ACNUR.

A parte multimédia mostra vários vídeos com o antigo chefe do executivo português em algumas das mais importantes reuniões internacionais em que esteve presente e uma galeria com fotografias (algumas das quais cedidas pela Agência Lusa) com o seu percurso desde o tempo em que assumiu as funções de primeiro-ministro de Portugal.

Numa parte destinada a mostrar o consenso nacional existente em torno da sua candidatura, o site inclui ainda breves depoimentos do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e do primeiro-ministro, António Costa.

"Pretendemos fazer um site sóbrio, mas bastante informativo sobre António Guterres", disse à agência Lusa fonte da candidatura.

O ex-ACNUR, de acordo com a mesma fonte, tem prosseguido "em ritmo elevado" a sua agenda de contactos internacionais, respondendo a convites, tendo esta semana participado em duas conferências em Londres.

O sucessor de Ban Ki-moon deverá ser empossado em janeiro de 2017, sendo previsível que o processo de escolha esteja concluído no último trimestre deste ano.