Governo está a estudar revisão de alguns aspetos do Estatuto dos Militares

O Governo está a estudar a revisão de alguns aspetos do Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR), disse esta terça-feira o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes.

"Há com certeza alguma área ou outra do Estatuto dos Militares das Forças Armadas que vai merecer revisão, mas ainda não é tempo para concretizar", disse o ministro, em declarações à Lusa, antes de partir para Lisboa, depois de uma deslocação a Marrocos na segunda-feira para reforçar os laços de cooperação com aquele país na área da Defesa.

O parlamento debate hoje um projeto de lei do PCP que visa alterações ao EMFAR para facilitar a passagem à reserva, a progressão nas carreiras e introduzir melhores condições de conciliação entre a vida militar e as obrigações parentais.

No projeto de lei, o PCP defende também a substituição do dever de "isenção política" pelo dever de "isenção partidária", retomando a formulação anterior às alterações aprovadas pelo anterior governo PSD/CDS-PP.

Questionado sobre estas propostas, Azeredo Lopes afastou a possibilidade de introduzir para já alterações à lei que impliquem mais despesa invocando que se mantém em 2017 "constrangimentos orçamentais".

"O ministério iniciou um varrimento para avaliar as regras estatutárias. Há algumas áreas em que será mais fácil a alteração, há outras em que por questões da realidade não tem cabimento", disse.

Já quanto à proposta para que o EMFAR volte a prever, entre os deveres especiais dos militares, o "dever de isenção partidária", retirando a formulação "dever de isenção política", Azeredo Lopes admitiu que é uma questão que pode exigir "um esforço de harmonização e clarificação".

Depois de na fase inicial da governação ter rejeitado a "fúria legislativa" nas áreas da Defesa, Azeredo Lopes sustentou hoje ser importante que o "debate sobre as Forças Armadas se vá desenvolvendo, quer nas dimensões mais estratégicas quer no que toca à condição militar".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.