"Bom para Portugal, bom para o PSD", diz Rio. Assinado acordo sobre descentralização

Primeiro-ministro e líder social democrata encontram-se em São Bento

Está assinado o acordo entre PSD e governo sobre fundos europeus e descentralização. O entendimento foi subscrito ao final da tarde de hoje - mas numa sala fechada, longe das câmaras dos jornalistas. Para a fotografia ficou apenas um aperto de mão entre António Costa e Rui Rio. E algumas justificações, de parte a parte.

"Este acordo é bom para Portugal e, se é bom para Portugal, é bom para o PSD", afirmou o líder social-democrata, quando questionado sobre se as críticas que já se ouvem no partido a este entendimento. "Quem pensa o contrário está a pensar mal", sublinhou o presidente do partido, que antes já tinha afirmado: "Este acordo é bom para o PSD? A pergunta tem pouco interesse, é bom para Portugal".

António Costa - que não tem reservas no partido, mas tem os parceiros de esquerda desconfiados desta aproximação ao PSD - disse ter a "mesma interpretação de Rio", defendendo que não se deve confundir diferentes planos. Se é da maior importância que estes acordos "sejam o mais alargados possível" , na medida em que atravessam várias legislaturas, Costa garante que em nada beliscam a solução política de governo: "É com base nessa solução paralmentar que este governo existe e governa"

Antes das declarações conjuntas, António Costa e Rui Rio estiveram reunidos durante cerca de uma hora, num encontro onde estiveram também os negociadores dos dois acordos hoje firmados: Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, e o social-democrata Álvaro Amaro, que fecharam o dossier da descentralização; e Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas, e o vice-presidente do PSD Castro Almeida, que conduziram as negociações sobre o futuro quadro comunitário de apoios. Na reunião esteve ainda Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, responsável pelas negociações com os parceiros do governo... à esquerda.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?