Governo aponta igualdade de género e mais rendimentos para aumentar natalidade

Secretária de Estado disse que políticas de austeridade condicionaram a decisão das famílias de terem o primeiro ou o segundo filho

Governantes e investigadores defenderam hoje que o reforço das políticas de igualdade de género e a melhoria das condições económicas das famílias são essenciais para aumentar a taxa de natalidade em Portugal.

"Desafios Demográficos, Natalidade, Território e Políticas Públicas" é o tema de uma conferência que decorre durante o dia de hoje no concelho de Odivelas (distrito de Lisboa), o município do país que regista a maior taxa de fecundidade.

Durante a manhã participaram nos trabalhos a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino, e duas investigadoras que abordaram a evolução da taxa de natalidade nas últimas décadas e os desafios para o futuro, num momento em que os números "são preocupantes para a renovação geracional".

Durante a sua intervenção, Catarina Marcelino sublinhou que "ter um único filho não é suficiente para repor as gerações e lamentou que em Portugal esteja "instituída" a ideia do filho único, ressalvando, contudo, que a decisão de ter ou não filhos é sempre pessoal e que está muito condicionada pela conjuntura.

"Aquilo que observamos é que a decisão de ter filhos é cada vez mais tardia. Para muitos é um objetivo adiado e isso deve-se muito a um conjunto de fatores, como as políticas de rendimento ou as diferenças entre homem e mulher no mercado de trabalho. As empresas devem olhar com igualdade para homens e mulheres", defendeu.

A governante sublinhou que o período das políticas de austeridade condicionou muito a decisão das famílias de terem o primeiro ou o segundo filho mas que a situação se tem invertido nos últimos dois anos.

A mesma ideia foi defendida pela investigadora Maria Filomena Mendes, da Universidade de Évora, que apresentou um estudo sobre a evolução da natalidade, no qual mostrou que desde 2014 até 2016 existiu um aumento significativo de famílias a terem um segundo filho.

No entanto, a investigadora afirmou que "Portugal ainda vive numa situação de filho único", embora as famílias admitam que "gostassem de ter mais filhos".

Maria Filomena Mendes referiu que o adiamento da decisão de ter filhos é o principal obstáculo à natalidade, uma vez que "nascimentos adiados não são nascimentos recuperados".

"A intenção de muitos casais é que venham a ter os filhos mais tarde mas isso nem sempre acontece, atestou a investigadora, defendo a necessidade da sociedade repensar no papel na família tanto da mãe como do pai, que, segundo Maria Filomena Mendes, "deverão ter papéis iguais".

No mesmo sentido, Vanessa Cunha, da Universidade de Lisboa, defendeu a necessidade da sociedade "libertar os homens para vida familiar", sublinhando que o pai deve ser tão responsável como a mãe na educação dos filhos.

A sessão da tarde conta com a presença de deputados da Assembleia da República e do ministro do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, a quem caberá encerrar os trabalhos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG