Ferreira Leite acusa Maria Luís de falta de bom senso e transparência

Maria Luís aceitou um cargo na administração de uma empresa de gestão de dívidas, e Ferreira Leite acha se "pôs a jeito" para as críticas

A antiga ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite não poupou Maria Luís Albuquerque esta quinta-feira à noite, fazendo críticas à sua aceitação de um cargo na empresa financeira Arrow Global pouco após sair do governo. Ferreira Leite afirmou na televisão TVI24 que a sua sucessora não teve "bom senso" nem "transparência" ao aceitar o cargo numa "empresa que teve ligações ao Ministério das Finanças (...) ainda por cima, ligações prejudiciais para o país".

Foi revelado esta quinta-feira que Maria Luís Albuquerque, ministra das Finanças do governo de Pedro Passos Coelho, assumiria um cargo não executivo na administração da empresa Arrow Global, uma empresa de gestão de dívidas que, no ano passado, se tornou líder da gestão de crédito malparado em Portugal.

Manuela Ferreira Leite afirmou que a aceitação deste cargo tão pouco após ter saído do governo revela falta "de bom senso", e mesmo desconhecimento da legislação. A ex-ministra, disse, "não saiu do ministério há quatro anos, saiu há três meses e pouco", e aceitou o novo trabalho sem deixar passar "quase tempo nenhum de nojo". Quanto às críticas da esquerda, Ferreira Leite considera que são merecidas: "Pôs-se mais do que a jeito".

Maria Luís Albuquerque defende que não vai ter funções executivas na Arrow Global e, numa declaração divulgada pela assessoria de imprensa do PSD, afirmou que as decisões da Arrow Global nunca foram condicionadas pelas suas decisões enquanto governante.

A empresa Arrow Global comprou a dívida do Banif em 2014, quando Maria Luís Albuquerque tutelava a pasta das Finanças. A porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, denunciou o novo cargo da ministra numa publicação no Facebook.

Maria Luís Albuquerque já afirmou que vai permanecer nas suas funções de deputada após iniciar o trabalho na Arrow Global, acumulação de funções que levanta questões à esquerda, que vai pedir parecer da subcomissão de Ética.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG