Fernando Negrão declarado eleito líder parlamentar com apenas 39% dos votos

Dos 88 deputados que votaram, 53 não disseram "sim" ao nome escolhido por Rui Rio

Fernando Negrão foi esta quinta-feira declarado eleito líder do grupo parlamentar do PSD, ainda que tenha obtido menos de metade de votos favoráveis dos deputados.

Negrão obteve apenas 39% de votos dos 88 deputados que votaram, Foram registados 35 votos "sim", mas 32 foram brancos e 21 nulos.

Contas feitas, 53 deputados sociais-democratas não deram o seu "aval" ao nome escolhido por Rui Rio para liderar a bancada doo PSD no Parlamento.

"Foi eleito o deputado Fernando Negrão para líder do grupo parlamentar com 39,7%", refere a ata da eleição lida pela assessora do grupo parlamentar do PSD.

Apenas o deputado Pedro Pinto não votou, tal como já tinha admitido na reunião do grupo em que foram anunciadas eleições antecipadas

A título de comparação, Hugo Soares, o líder parlamentar demissionário, foi eleito o ano passado com uma percentagem de 85,4% - 76 votos favoráveis, 12 votos brancos e um nulo.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.