"Não foi à primeira, foi à segunda, o que interessa é que foi"

Marcelo Rebelo de Sousa saudou a eleição de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo. E voltou a alertar: "Não há bela sem senão"

O Presidente da República considerou a vitória do Ministro das Finanças português "um sinal importante e positivo", mas reiterou que traz mais responsabilidades para Portugal.

"Não foi à primeira, foi à segunda, o que interessa é que foi", declarou o chefe de Estado aos jornalistas, à entrada para uma conferência na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa já tinha comentado esta segunda-feira a eleição de Mário Centeno, antes mesmo da contagem dos votos, face às declarações do atual titular do cargo de presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que deu como certo que o seu substituto seria o ministro português. "Portugal vai passar a ter uma voz mais forte nas instituições europeias", disse o Chefe de Estado, antes do anúncio oficial.

Confirmada a eleição de Mário Centeno, o chefe de Estado voltou a falar à comunicação social, declarando: "É um sinal importante e positivo para o país, para ao Governo, para o ministro, e eu penso que também para a Europa. É um momento de alegria para todos os portugueses".

"Agora, passa-se à fase seguinte, que é garantir que não nos esquecemos de contribuir para a Europa, mas também de termos cá em Portugal uma política financeira firme, consequente, sem desvios nem aventuras, porque o ministro das Finanças chega a presidente do Eurogrupo por ser ministro das Finanças de Portugal",sublinhou.

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou a ideia de que "não há bela sem senão", defendendo que, neste caso, "belo é o aumento de influência de Portugal na Europa, é belo a Europa ver Portugal com outra consideração muito diferente daquela com que via há dois anos quando tinha dúvidas sobre este Governo e a sua política".

"O senão é uma responsabilidade. Agora que temos a presidência do Eurogrupo, somos ainda mais responsáveis do que éramos anteriormente. Portanto, não pode haver nem descuidos nem aventuras em matéria financeira em Portugal", completou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.