Este é o nosso candidato. PSD e CDS formalizam hoje apoio a Marcelo

Os dois partidos apoiam Marcelo Rebelo de Sousa mas vão defender a natureza "suprapartidária" da candidatura do ex-presidente social-democrata

Apostar todas as "fichas" numa vitória, de preferência à primeira volta, de Marcelo Rebelo de Sousa e derrotar todos os candidatos presidenciais da esquerda, leva o PSD e o CDS a não adiar mais um dia a formalização do apoio ao candidato da sua área política. Passos já tinha reiterado que este candidato "corporiza bem" os valores da área política do PSD, considerando que os sociais-democratas "não se sentirão com certeza desidentificados com aquilo que ele possa representar" na campanha presidencial.

O poder das máquinas laranja-azul sabe fazer a diferença numa campanha e por isso hoje os presidentes dos dois partidos, Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, vão levar aos respetivos Conselhos Nacionais essa posição. Ao que o DN, apurou junto a fontes de ambos os partidos, serão aprovados textos aproximados, com os argumentos que sustentam a decisão oficial, há muito esperada. "Preservar e respeitar a natureza especial, suprapartidária das eleições presidenciais, será certamente um dos argumentos", sublinha uma dessas fontes. Nem um dos partidos quer comprometer a "abrangência" do eleitorado que pode ser alcançado por Marcelo e, com cautela, será também frisado que o apoio dos sociais-democratas e dos centristas "não é orgânico". PSD e CDS querem contrastar com os candidatos do PCP, do BE e mesmo do PS, para o qual as presidenciais, apesar de não ter dado indicação de voto a nenhum dos três da sua área (Henrique Neto, Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa), são motivo de cisão interna.

Esta prudência estratégica de Passos e Portas agradará certamente a Marcelo. Na entrevista, segunda-feira, à SIC, o professor e ex-comentador político, também foi cauteloso em relação aos previsíveis apoios da direita, deixando claro que os "aceita" mas que estes não "o vinculam minimamente". "Eu avancei com uma candidatura independente e um estilo diferente de candidatura presidencial. É uma campanha muito solitária, em que aceito apoios que vierem de pessoas, instituições e partidos, mas em que não vincula em nada a minha candidatura aos apoios que venha a receber", afiançou.

Outro argumento que PSD e CDS vão ter em conta para justificar este apoio terá a ver com a própria dimensão do cargo de Presidente da República: "tem funções de representação externa do país e é o comandante supremo das Forças Armadas. Logo tem de acreditar e defender os compromissos de Portugal na UE e com a NATO. É estratégico para o país", será sustentado pelas estruturas partidárias.

Ambos os Conselhos Nacionais realizam-se às 21 horas, o PSD num hotel de Lisboa, o CDS na sede do partido. Os sociais-democratas vão marcar a data do congresso, ratificando a decisão aprovada pela Comissão Permanente do partido, que decidiu agendar essa reunião magna para 1, 2 e 3 de abril. A data não será inocente, pois nessa altura o parlamento já estará em funções há seis meses e o novo Presidente da República já pode marcar eleições. Os congressistas têm essa arma de pressão do seu lado.

Na agenda dos Conselhos Nacionais há ainda outro ponto na agenda que é a discussão na situação política. Nesta matéria pode começar a haver alguns discursos a defender uma mais contundente avaliação das medidas do governo, evitando a crispação e a invocada "ilegitimidade" do executivo de António Costa.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...