"Os jovens têm défice de acesso a bibliotecas ou desporto"

A ex-ministra Maria de Lurdes Rodrigues implementou a escola a tempo inteiro no 1.º ciclo, em 2006

Foi a responsável pela implementação da escola a tempo inteiro no 1.º ciclo. Concorda com o seu alargamento a todo o básico?

Sim, é importante este alargamento, porque para muitos jovens e crianças o espaço da escola é o mais importante da sua socialização. É onde têm acesso a recursos que muitas vezes não têm noutras infraestruturas dos locais onde vivem e nem em casa, como, por exemplo, acesso aos livros da biblioteca. Além disso, existe aqui uma dimensão de apoio à família que é muito importante porque a maior parte das mulheres trabalha e não pode acompanhar os filhos tanto tempo como gostariam. E gostariam de saber que os filhos estão bem entregues.

Que atividades podem os alunos dos 2.º e 3.º ciclos desenvolver?

Podem ser as mais diversas atividades. A maior das crianças e jovens do nosso país têm grande défice de acesso a bibliotecas, ao desporto escolar com atividade física. Esta é uma excelente oportunidade para desenvolverem clubes de línguas, de teatro, projetos na área da música, do desporto.

Mas faz sentido que os alunos passem ainda mais tempo na escola?

No nosso país não há outras instituições que desenvolvam atividades como o xadrez, o teatro ou o desporto, e muitas famílias também não têm condições para pagar essas atividades. Logo, era bom que essas coisas pudessem ser feitas na escola.

Seriam os professores a desenvolver estas atividades?

Os professores já têm a sua carga letiva, não precisam de ser eles. Era importante que, numa parte deste tempo, os alunos pudessem fazer os trabalhos de casa e depois noutra parte pudessem desenvolver outras competências, em projetos ou clubes de pintura, música, teatro, atividade física. Há um mundo de coisas que podem ser desenvolvidas e há mão-de-obra qualificada que facilmente poderia ser contratada para integrar estas equipas nas escolas. É uma questão de organização e de recursos financeiros. E se o governo planeia fazê-lo é porque os recursos são acessíveis e podem ser encontradas soluções como uma contribuição das famílias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.