Empresa de segurança do Urban Beach deixa de trabalhar em discotecas

PSG Segurança Privada emite comunicado em que repudia "veementemente os factos ocorridos"

A empresa PSG Segurança Privada, responsável pela vigilância na discoteca Urban Beach, em Lisboa, anunciou este sábado que vai deixar de fornecer serviços a estabelecimentos de diversão noturna.

Em comunicado publicado no site da empresa, a PSG afirma que a decisão é tomada na sequência das agressões ocorridas à porta da referida discoteca e "por ter plena consciência da gravidade dos factos ocorridos e por respeito à sua equipa de colaboradores, aos seus clientes, bem como ao público em geral".

O objetivo, acrescentam, é o distanciamento "de situações semelhantes, já que malogradamente, não conseguiu evitar as ocorridas".

A PSG começa por afirmar "ter lamentado e repudiado de forma veemente os factos ocorridos, quando deles teve conhecimento" e explica que "nos últimos dias tem optado por manter o silêncio, apenas para permitir que os órgãos de policia criminal e demais entidades responsáveis possam realizar o seu trabalho, sem qualquer tipo de interferência, colaborando ativamente em tudo o que lhe foi solicitado".

Sublinha que "ao ter tomado conhecimento dos factos, instaurou de imediato os necessários processos disciplinares e suspendeu preventivamente os trabalhadores envolvidos no incidente", e faz questão de "repudiar a constante ligação que tem vindo a ser feita entre os acontecimentos e a [sua] atividade".

"Ao contrário do que tem vindo a ser divulgado nos meios de comunicação social, a atividade da PSG não se enquadra exclusivamente nem maioritariamente na segurança de estabelecimentos de diversão noturna. Muito pelo contrário, esta área de atuação representa cerca de 3% do volume de negócio da empresa, sendo que os restantes 97% respeitam a clientes institucionais, públicos e privados, com relações contratuais duradouras, com os quais a PSG manteve, mantém e pretende manter uma relação de confiança e rigor, que corresponda ao reconhecimento da qualidade dos serviços por si prestados", lê-se no documento.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.