Durão Barroso fora da Universidade de Genebra

O seu vínculo ao Goldman Sachs é a causa do fim do contrato, diz a imprensa suíça. Antigo professor cortou relações com Barroso, o aluno-prodígio

A Universidade de Genebra e o Instituto de Estudos Internacionais não renovaram o contrato do ex-Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, que cessará no final do ano. Segundo o jornal suíço Le Temps, o vínculo de Barroso ao ao banco de investimento Goldman Sachs é o motivo para a decisão. O ex-primeiro-ministro português era professor convidado daquele prestigiado estabelecimento de ensino superior, onde também estudou e trabalhou nos anos 80. Desde maio de 2015 que ali dava aulas sobre políticas europeias.

A imprensa suíça dá conta do desagrado na instituição em relação ao novo "patrão" do "ex-aluno prodígio" da Universidade, lembrando que o banco de investimento norte-americano é considerado um dos líderes da crise financeira de 2008. Um antigo professor e amigo durante anos de Barroso, Dusan Sidjanski, atualmente com 90 anos, não poupa as críticas. ""Cortei todos os laços com ele", revelou, depois de lhe escrever uma carta dizendo que a sua ligação ao Goldman Sachs era uma "manchas para a Europa" e "para a sua família." "Ele usou as instituições da UE para participar nos piores bancos globais", sublinhou. "Não posso acreditar que neste momento ele destrua a sua reputação a este ponto. Isso mostra que ele é fraco ", assinala. Este professor sente-se "traído" pelo ex-aluno que o nomeou até seu assessor especial na Comissão Europeia

O vice-reitor da Universidade, Jacques Werra, enviou uma carta de agradecimento a Durão Barroso informando-o da não renovação. "Realizou totalmente o seu mandato", afirma o responsável, não comentando, porém, se essa decisão estava relacionada com a Goldman Sachs. "É uma questão abstrata uma vez que não era esperado que o mandato fosse além de 2016".

Segundo o jornal suíço o sentimento de "traição" é, no entanto, notório entre o meio académico. Antes de ser anunciada a sua contratação pelo banco norte-americano, Barroso deu a entender à Universidade que iria ter menos tempo disponível, pois iria trabalhar para uma "grande" entidade. "Disse-nos que não nos ia agradar", lembra René Schwok, diretor do Instituto de Estudos Global, da Universidade de Genebra.

Contactado pelo jornal, José Manuel Durão Barroso não quis comentar.

Neste momento Barroso é também professor convidado na Universidade Católica e professor visitante da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG