Depois do buzinão, vêm aí mais ações de protesto

O buzinão de protesto pela reposição da isenção das portagens na ponte 25 de Abril durante o mês de agosto prolongou-se durante quase três horas

A Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul que organizou hoje um buzinão pela isenção das portagens na ponte 25 de Abril em agosto lamenta a falta de diálogo do Governo e promete novas ações de protesto.

"Isto deve ter impacto na Assembleia da República. Com certeza que os deputados não são cegos nem surdos, sobretudo os eleitos pelo distrito de Setúbal deviam também tomar posição", disse à Lusa Luísa Ramos, da Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul, que vai agora analisar futuras "ações de protesto" contra o pagamento de portagens naquela ponte.

O buzinão de protesto pela reposição da isenção das portagens na ponte 25 de Abril durante o mês de agosto prolongou-se durante quase três horas, tal como previsto pelos organizadores, que colocaram cartazes a apelar ao protesto nos pontos de acesso à praça das portagens, em Almada.

Os automobilistas, sobretudo os que circulavam no sentido sul-norte, aderiram ao protesto buzinando desde a passagem sob o viaduto do Pragal até ao tabuleiro da ponte, sem que se tivessem registado incidentes.

"Correu muito bem. Aliás, estava previsto para as 08:00 mas os automobilistas mal nos viram por aqui começaram logo a buzinar. Pensamos que atingimos ou ultrapassamos os objetivos", referiu a responsável pela comissão, que lamentou a falta de diálogo por parte do Governo sobre a questão das portagens, nomeadamente sobre a isenção do pagamento durante o mês de agosto.

"Nós mandamos um ofício a sugerir a medida, mas o ministro não se dignou a responder", lamentou, acrescentando que hoje, pelo menos, o barulho das buzinas vai ser ouvido pelo responsável pelo Ministério do Planeamento e das Infra Estruturas, Pedro Marques.

Segundo Luísa Ramos, a questão das portagens nas pontes 25 de abril e Vasco da Gama "é grave", afeta milhares de cidadãos e deve ser reequacionada com urgência pelo atual Executivo.

"Somos os únicos portugueses que pagam portagens para passar um rio. Por outro lado, estamos numa região muito mal servida de transportes públicos. Os TST são uma desgraça: cortam carreiras e não cumprem horários, a Fertagus e o Metro Sul do Tejo estão fora do sistema do passe social intermodal o que faz com que as pessoas fiquem cada vez mais do carro para cumprirem o direito à mobilidade", comentou a manifestante.

Para a Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul, o primeiro passo devia ser a precisamente a reposição da isenção em agosto, que foi retirada pelo anterior governo (PSP/CDS), em 2011.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.