Deco tem feito testes a comida de bebés e nunca detetou resíduos de pesticidas

A associação de defesa dos consumidores (Deco) anunciou hoje que tem feito testes comparativos aos alimentos para bebés e nunca foram detetados resíduos de pesticidas nas análises.

A posição da DECO surge na sequência de um relatório da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, que refere Portugal como um dos cinco países europeus onde foram encontradas, em 2010, algumas amostras de alimentos para bebés com valores de resíduos de pesticidas acima dos limites estabelecidos.

Em declarações à agência Lusa, Sílvia Machado, da associação, adiantou que a Deco analisou em 2002 os boiões de comida para bebés à base de carne, de peixe, fruta e sobremesas lácteas e em 2010 as farinhas para bebés.

"Em nenhum destes casos foram encontrados resíduos de pesticidas e essa foi uma das análises realizada", assegurou Sílvia Machado.

A técnica disse ainda não perceber "porque é que se demorou tanto tempo a divulgar esta informação" relativa a amostras realizadas a 2010.

"Há de facto uma legislação que determina qual é o nível máximo permitido de pesticidas na alimentação para as crianças e o que nos parece -- não tenho mais detalhes sobre o processo -- é que os limites têm algum grau de segurança", não pondo em causa a segurança alimentar.

Contudo, trata-se de um produto que não está de acordo com o que a legislação preconiza, acrescentou.

Na quarta-feira, o Governo assegurou que os alimentos para bebés respeitam todos os requisitos relativos a resíduos de pesticidas e que as amostras que ultrapassavam os limites máximos permitidos não se encontravam rotuladas como comida para bebés.

Questionada pela Lusa, a Secretaria de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar esclareceu que "os alimentos produzidos especificamente para bebés respeitam o cumprimento de requisitos próprios, nomeadamente quanto à sua composição nutricional, resíduos de pesticidas e rotulagem específica", previstos na legislação relativa aos alimentos à base de cereais e aos alimentos destinados a latentes e crianças até aos três anos.

Explicou ainda que, das 13 amostras analisadas em 2010 e que constam do relatório da AESA como alimentos para bebés, as duas amostras que ultrapassaram o limite máximo de resíduos "não são na realidade consideradas alimentos especificamente para bebés (baby food)".

"Estas duas amostras dizem respeito a alimentos à base de cereais que não se encontravam rotulados como alimentos para bebés, sendo os mesmos destinados ao consumidor geral", adiantou.

Também a Associação da Indústria da Alimentação Infantil (ANID) assegurou que as suas empresas associadas utilizam os mais elevados padrões de controlo da qualidade dos alimentos para bebés, quer ao nível do controlo das matérias-primas, quer ao nível do próprio processo.

"Nenhum dos produtos envolvidos nestas análises pertence a associados da ANID, estando a Associação a trabalhar em estreita colaboração com as autoridades nacionais para garantir a maior transparência de informação junto dos consumidores", adiantou a associação em comunicado.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?