Críticas ao anterior Governo marcam discurso de Arménio Carlos

O secretário-geral da CGTP abriu esta manhã o congresso da central sindical.

A intervenção do secretário-geral da CGTP, na abertura do XIII Congresso da Inter, ficou hoje marcada por fortes críticas às políticas de austeridade do anterior governo e pela promessa da continuação da luta dos trabalhadores pela mudança.

"Não desistimos e não claudicámos, ao invés, resistimos e combatemos a poderosa ofensiva ideológica com que nos tentaram intoxicar", afirmou Arménio Carlos numa intervenção proferida na abertura do Congresso que se realiza hoje e sábado em Almada.

O líder da CGTP teceu igualmente fortes críticas às políticas orçamentais da União Europeia (UE), salientando que Portugal foi vítima dos seus impactos, do memorando da 'troika' e do Governo PSD/CDS.

"No nosso país conhecemos e sofremos os impactos da política da UE, do memorando da 'troika' e do Governo PSD/CDS, que desenvolveu uma política contra a Constituição da República, de afronta ao trabalho, de destruição de serviços públicos e de degradação das funções do Estado, que empurrou dois milhões e 700 mil portugueses para a pobreza e mais de um milhão para o desemprego, e forçou a emigração de centenas de milhares de portugueses", disse Arménio Carlos.

O secretário-geral da CGTP antecipou em meia hora a sua intervenção, inicialmente prevista para as 11:30, e depois de saudar todos os presentes, reafirmou que "a luta continua", levando os mais de 700 congressistas a aplaudi-lo de pé.

"Este é o tempo de concretizar a esperança e lutar pela mudança", disse depois aos congressistas presentes, antevendo "um tempo aliciante, recheado de desafios e de potencialidades".

O XIII Congresso começou com a apresentação de um filme que focou a crise dos refugiados, os vários setores do mundo do trabalho e o desemprego.

Não faltaram imagens de sucessivas manifestações da CGTP, nomeadamente, do Terreiro do Paço, em Lisboa, repleto de pessoas em protesto.

Seguiu-se um momento musical com a atuação de um grupo coral alentejano que entoou, entre outras, a Grândola Vila Morena e o hino da Intersindical.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.