Cristas evoca "grandes inspirações" que importa continuar a lembrar

Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa morreram há 36 anos

A presidente do CDS-PP esteve hoje presente em Lisboa numa missa evocativa de Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, descrevendo ambos, falecidos há 36 anos, como "grandes inspirações" que importa continuar a lembrar.

"São grandes inspirações, quer para o CDS, quer para o PSD, e continuamos a tê-los presentes na nossa memória", disse Assunção Cristas aos jornalistas, no final da cerimónia que aconteceu na Basílica da Estrela.

Amaro da Costa, fundador do CDS, e Sá Carneiro, do PSD, "deram a vida, literalmente, pelo seu país", sublinhou a presidente do CDS, que tinha seis anos quando se deu a queda do avião em Camarate.

"Tinha seis anos quando aconteceu (?) mas lembro-me, é uma das primeiras memórias da nossa atualidade política", declarou.

E concretizou: "Para nós é importante continuar a recordar, agradecer e rezar por eles".

Na cerimónia em Lisboa estiveram outras figuras do CDS, como Nuno Magalhães ou Telmo Correia, e também dirigentes do PSD, casos de Maria Luís Albuquerque, Teresa Leal Coelho ou Teresa Morais.

Em Viseu, também esta manhã, estará presente o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, numa missa também evocativa de memória de Sá Carneiro e Amaro da Costa.

A 04 de dezembro de 1980, Francisco Sá Carneiro, então primeiro-ministro, e Adelino Amaro da Costa, ministro da Defesa, morreram na queda do avião Cessna em que seguiam para o Porto, assim como a tripulação e restante comitiva: Snu Abecassis, Manuela Amaro da Costa, António Patrício Gouveia, Jorge Albuquerque e Alfredo de Sousa.

A queda do avião onde viajavam Sá Carneiro e Amaro da Costa já motivou a realização de dez comissões parlamentares de inquérito.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG