"Costumo dizer que o cansaço já é o nosso estado natural". Cuidadores exigem ajuda

Projeto de lei do BE que cria Estatuto do Cuidador Informa deverá passar hoje para a discussão na especialidade. Prevê horários flexíveis, dias de descanso e férias

Quando atende o telefone, a meio da tarde, Mónica Afonso diz que não pode falar. Pede que se volte a ligar à noite, quando a filha estiver a dormir. Isto porque Mariana, de 8 anos, exige uma dedicação exclusiva. Sofre de tetraparésia mista - "paralisia cerebral com 93% de incapacidade". Tem de ser vigiada 24 horas por dia, mesmo enquanto dorme, o que obriga os pais a fazerem turnos para nunca a deixarem sozinha.

"Costumo dizer que o cansaço já é o nosso estado natural. Há uma grande exigência física e psicológica", diz ao DN. Mónica já gozou a licença de parentalidade, de quatro anos, e encontra-se, atualmente, de baixa. "Se me diminuíssem a carga horária e se pudesse fazer o turno da noite, podia trabalhar. Ia fazer-me muito bem. Além de que trazia mais dinheiro para casa."

Mónica, de 37 anos, acredita que "o Estatuto do Cuidador Informal vai proteger o trabalhador", permitir que os cuidadores informais "não tenham de escolher entre cuidar de uma pessoa ou trabalhar" e que também tenham direito a algum "descanso".

É com essa esperança que se vai juntar a outras pessoas na mesma situação, hoje, à frente do Parlamento, onde será votado o projeto de lei do Bloco de Esquerda (BE) que cria o Estatuto do Cuidador Informal e o projeto de lei do PCP que reforça o apoio aos cuidadores informais.

"A indicação que temos do PSD e do PS é que não vão opor-se, mas também não acompanham. Vão abster-se. Em todo o caso, o importante é que o projeto desça para o trabalho de especialidade e que se possa fazer um trabalho conjunto na comissão", adiantou ao DN o deputado bloquista José Soeiro. O objetivo, prossegue, é que até ao final do verão "se possa concluir esse trabalho e chegar a uma proposta" para o Estatuto do Cuidador Informal em Portugal.

Na proposta dos bloquistas constam medidas de "conciliação entre o trabalho e a prestação de cuidados", como flexibilidade de horário, direito a 30 faltas por assistência e a gozar de licenças, tal como medidas que visam "aliviar as famílias em relação à totalidade dos cuidados prestados. Com o apoio de "cuidadores formais", José Soeiro diz que devem ser garantidos, pelo menos, quatro dias de descanso por mês, bem como pelo menos "11 dias de férias por ano, para que possa haver uma rutura na prestação de cuidados".

O principal responsável pela iniciativa legislativa do Bloco de Esquerda destaca, ainda, um outro ponto do projeto de lei: "A necessidade de ter em conta o tempo de prestação de cuidados para efeitos de cálculo da pensão de velhice." Além disso, José Soeiro diz que são propostas medidas "de reforço ao apoio social de pessoas dependentes", já que "há desigualdade" entre as pessoas que estão institucionalizadas e as que estão em casa". Mónica Afonso, por exemplo, recebe apenas 170 euros por mês, o valor referente a três subsídios: "O da terceira pessoa, o abono de família e a bonificação por deficiência."

800 mil cuidadores

É estimado que existam cerca de 800 mil pessoas em situação de dependência de outros em Portugal: crianças ou jovens com deficiência, pessoas com doenças crónicas e demências e idosos dependentes. Sofia Figueiredo, de 40 anos, estará na manifestação dos cuidadores, hoje, à frente do Parlamento. Cuida da avó, de 83 anos, que sofre de demência, e é uma das promotoras da petição criada em 2016, apelando à criação do estatuto. Um documento que esteve em discussão, na Assembleia da República, no passado dia 16. "Há falta de respostas, de apoio, de formação. Falamos de 810 mil famílias que ficam desestruturadas, com carências económicas", lamenta.

A avó teve o diagnóstico de demência há quatro anos, o que obrigou Sofia a uma mudança radical na sua vida. "Cheguei à exaustão. Tinha de trabalhar, cuidar da minha avó, porque o centro de dia acabava às 16.00, e da família", recorda. Esteve um ano de baixa médica. "Agora consigo trabalhar porque me adequaram o horário e pago a alguém para cuidar dela", explica, criticando o facto de "não existir uma lei que proteja os cuidadores". Esta é, sublinha, "a realidade de muitas pessoas", que "adoecem, porque entram num grande desgaste físico e emocional". E o Estado "gasta mais com baixas médicas" do que aquilo que poderia dar em apoios. A expectativa, afirma, "é que os partidos cumpram o que prometeram e que a proposta do BE passe".

Contactado pelo DN, Luís Soares, deputado do Partido Socialista (PS), diz que "esta é uma matéria consensual a todos os partidos" e que "há necessidade de encontrar soluções". Contudo, "na proposta do Bloco não se consegue perceber a quantificação que as medidas representam do ponto de vista orçamental". E é preciso, por exemplo, "delimitar a quem se aplica o estatuto, no fundo, o que é ser cuidador informal". Por isso, adianta, como o PS desconhece "o impacto financeiro das medidas", irá abster-se na votação. "Trabalharemos na especialidade para perceber o que pode ser viabilizado."

Segundo Luís Soares, será tomada a mesma atitude em relação ao projeto de lei do PCP. João Dias, deputado do partido, explica ao DN que o projeto de lei do PCP "é criterioso e exequível, e reforça o apoio psicossocial, domiciliário, a proteção social e a capacitação dos cuidadores informais". A expectativa, avança o deputado, "é que haja amplo consenso das outras forças partidárias e que o projeto de lei seja aceite".

Relativamente aos projetos de resolução do CDS-PP e do PAN, o socialista Luís Soares indica que "serão votadas favoravelmente", já que se trata de iniciativas "que permitem que o governo prossiga com o trabalho que tem desenvolvido", nomeadamente com a criação do Estatuto do Cuidador Informal. Já Helga Correia, deputada do Partido Social-Democrata (PSD), diz que os projetos de lei do BE e do PCP e os projetos de resolução "vão baixar à comissão" e serão "analisados e discutidos". "Neste momento não consigo adiantar mais nada", conclui

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.